sicnot

Perfil

Mundo

Polémico medicamento brasileiro contra o cancro vai ser testado em humanos

As provas clínicas para testar a eficácia de um medicamento brasileiro contra o cancro em humanos começaram hoje no Instituto do Cancro do Estado de São Paulo (ICESP), com dez pessoas a participarem na primeira fase do processo.

As dez pessoas serão acompanhadas e monitorizadas por uma equipa do ICESP, que garantirá a segurança das doses a aplicar aos pacientes portadores de qualquer tipo de cancro.

A fosfoetanolamina sintética, desenvolvida no Brasil pelo investigador da Universidade de São Paulo (USP) Gilberto Chierice, tornou-se uma "esperança" no final de 2015 para alguns pacientes, ainda antes de ter a aprovação das autoridades de vigilância sanitária.

Os pacientes que foram escolhidos para o teste integram o estatal Sistema Nacional de Saúde (SUS) -- e não são doentes que estão em estado terminal, segundo avançou o ICESP há uma semana.

Se a medicação não causar efeitos secundários, os testes continuarão numa segunda fase em 210 pacientes, distribuídos por dez grupos correspondentes a tumores diferentes, e os doentes tomarão três comprimidos durante seis meses.

As provas clínicas foram aprovadas pela Comissão Nacional de Ética na Investigação do Ministério da Saúde brasileiro e só continuarão se pelo menos três pacientes da segunda fase apresentarem melhorias significativas.

Numa terceira fase, o Governo prosseguirá os testes com mais 80 pessoas.

O Governo, pressionado pelo Congresso e alguns pacientes, anunciou em novembro que iria investir 10 milhões de reais (2,7 milhões de euros) numa série de exames de laboratório com cobaias para testar a eficácia e a segurança da medicina, mas não obteve resultados positivos.

Este processo de testes deverá prolongar-se por dois anos.

Relativamente às provas clínicas em seres humanos, o cálculo é que 1.000 brasileiros poderão participar em todo o processo, que se prevê venha a terminar dentro de dois anos.

Contudo, se nenhuns dos 210 pacientes das fases iniciais apresentar resultados, os testes serão interrompidos no prazo estipulado de seis meses.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado, Gilberto Chierice participará em todo o processo durante as provas e outras instituições podem ser incluídas nas fases posteriores, designadamente o Instituto do Cancro do Rio de Janeiro (Inca).

Apesar da polémica do uso deste medicamento não ter a aprovação das autoridades sanitárias, alguns pacientes continuam a utilizar a fosfoetanolamina devido a decisões que foram cobertas pela Justiça que ordenou a entrega do mesmo.

A fosfo (fosfoetanolamina), como é chamada, foi distribuída gratuitamente durante mais de uma década pela Universidade de São Paulo (USP), até que as autoridades sanitárias proibiram o seu uso no final do ano passado devido à falta de estudos clínicos acerca da sua eficácia.

Lusa

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.