sicnot

Perfil

Mundo

Avião solar completa volta ao mundo

A chegada a Abu Dhabi

© Jack Jabbour / Reuters

O avião Solar Impulse II, movido exclusivamente a energia solar, completou hoje a volta ao mundo que iniciou em março de 2015.

O Solar Impulse II aterrou em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) às 04:05 (1:05 em Lisboa), de onde tinha partido a 9 de março do ano passado para um périplo inédito de mais de 40 mil quilómetros, passando por quatro continentes e concluído sem usar combustível.

"Este é um momento muito especial para nós, completámos esta viagem, passo a passo, e estamos muito emocionados com a chegada a Abu Dhabi", disse à agência de notícias EFE André Borschberg, um dos dois pilotos da aeronave. Na última etapa, entre o Cairo e Abu Dhabi, o avião foi pilotado por Bertrand Piccard.

© Jack Jabbour / Reuters

O Solar Impulse II percorreu 40 mil quilómetros em 17 voos de mais de 500 horas. Sobrevoou o mar da Arábia, a Índia, a Birmânia, a China, os oceanos Pacífico e Atlântico, os Estados Unidos da América, o sul da Europa e o norte de África.

O projeto Solar Impulse II - liderado por dois pilotos suíços, Bertrand Piccard e André Borschberg, pretende consciencializar e convencer os diferentes líderes políticos da necessidade de optar por soluções tecnológicas que preservam o ambiente.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.