sicnot

Perfil

Mundo

Bombista suicida de Ansbach apresentou-se como pacifista ao pedir asilo na Alemanha

© Michaela Rehle / Reuters

O bombista suicida de Ansbach (sul da Alemanha) apresentou-se como pacifista quando pediu asilo em 2014, ao dizer às autoridades alemãs que tinha saído da Síria porque não queria empunhar armas contra outros seres humanos.

O bombista que domingo se fez explodir perto de um festival de música em Ansbach (sul), causando 15 feridos, chamava-se Mohyammed Daleel, era natural de Alepo, uma das cidades mais afetadas pela guerra na Síria, de acordo com atas que tiveram acesso alguns meios de comunicação locais.

Segundo relatou às autoridades alemãs aquando do pedido de asilo, um missil atingiu a sua casa, tendo ficado ferido, pelo que resolveu sair do país para a Turquia. Depois, como falhou a tentativa de chegar à Europa, voltou à Síria, onde revelou ter pedido asilo, mas acabou por ser detido, várias vezes, tanto pelas forças do regime do Presidente Bachar Al Asad, como por militantes da Al- Qaida.

O sírio, de 27 anos, morto na explosão da bomba que transportava, tinha requerido asilo à Alemanha, onde vivia, mas o pedido foi rejeitado há um ano. De acordo com as autoridades locais, o objetivo era cometer um atentado suicida.

Na segunda-feira, o grupo extremista Estado Islâmico (EI) afirmou que o autor do atentado suicida perpetrado no domingo, no sul da Alemanha, era "um dos seus soldados", indicou a agência Amaq, órgão de propaganda daquele movimento radical.

Antes deste anúncio do EI, o ministro do Interior do governo regional da Baviera afirmou que o autor do atentado, tinha "jurado fidelidade" num vídeo encontrado no telemóvel do bombista suicida.

Lusa

  • Sírio que se fez explodir em Ansbach vivia há dois anos na Alemanha
    2:12

    Mundo

    O bombista suicida sírio que se fez explodir este domingo, à porta de um festival de música na Baviera, vivia há dois anos na Alemanha e há cerca de um ano foi-lhe negado um pedido de asilo no país. Doze pessoas ficaram feridas, três das quais em estado grave. As autoridades estão a investigar as causas do ataque.

  • Atentado suicida à entrada de festival na Alemanha faz 12 feridos
    2:17

    Mundo

    Pelo menos 12 pessoas ficaram feridas, três das quais em estado grave, depois de um sírio de 27 anos se ter feito explodir, ontem à noite, à porta de um festival de música em Ansbach, perto de Nuremberga, na Alemanha. A única vítima mortal é o bombista suicida, que tinha problemas psiquiátricos. Esta manhã as autoridades estiveram a fazer buscas na residência onde o homem vivia.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.