sicnot

Perfil

Mundo

Detido no Malaui homem com VIH que tinha sexo com adolescentes por ritual

BBC

A polícia do Malaui prendeu um homem, infetado com o vírus VIH, que teve sexo, em troca de dinheiro, com mais de cem raparigas adolescentes, como parte de um ritual tradicional de passagem para a vida adulta.

Eric Aniva, nascido na região de Nsanje (sul do Malaui), foi detido após ter dado uma entrevista em que relatava ter tido relações com as raparigas em troca de um valor entre quatro e sete dólares (entre 3,6 e 6,3 euros), pago pelas respetivas famílias.

O ritual, praticamente desconhecido, prolonga-se por três dias e é realizado no sul do país por homens conhecidos como "hienas", a pedido dos pais das raparigas, após a primeira menstruação.

Segundo a crença, o ritual serve para as raparigas serem treinadas para serem boas esposas e para as proteger de doenças e de azares que podem afetar as suas famílias ou as aldeias.

"Aniva foi preso na segunda-feira, depois de ter sido trazido ao meu gabinete", anunciou o comissário da polícia, Gift Lapozo, à agência France-Presse.

Numa entrevista divulgada pela BBC na semana passada, o homem confessou ser portador de VIH e de ter dormido com pelo menos cem raparigas, sem usar proteção.

"Algumas raparigas têm apenas 12 ou 13 anos, mas eu gosto delas mais velhas", disse.

"Todas estas raparigas têm prazer em ter-me como o seu hiena. Elas ficam orgulhosas e dizem a outras pessoas que este homem é um homem a sério, que sabe dar prazer a uma mulher", acrescentou.

Desconhece-se há quantos anos Aniva é um "hiena".

O Presidente do Malaui, Peter Mutharika, tinha emitido uma declaração em que ordenava a detenção de Aniva e pedindo uma investigação ao papel dos pais envolvidos neste ritual.

Aniva "deve ser investigado por expor as jovens raparigas ao VIH e ser acusado em conformidade", considerou Mutharika.

"Práticas culturais e tradicionais perigosas não podem ser aceites", sublinhou.

O ritual de limpeza sexual também é realizado com viúvas no distrito de Nsanje, acreditando-se que é uma forma de exorcizar os espíritos malévolos ou para prevenir outra morte.

Aniva, que tem duas mulheres e supostamente ronda os 40 anos de idade, descreveu que um "hiena" era escolhido pela comunidade com base na boa moral e que a tradição não permite o uso de preservativos.

"Eu não podia fazer nada", relatou uma rapariga à BBC.

"Eu tive de fazê-lo pelos meus pais. Se eu recusasse, a minha família poderia ser atacada por doenças, até a morte, por isso eu estava assustada", disse.

O Malaui, que tem uma das mais elevadas taxas de infeção por VIH do mundo, criminaliza o sexo com pessoas com menos de 16 anos.

Se for considerado culpado por sexo com menores, Aniva pode ser condenado a prisão perpétua.


Lusa

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.