sicnot

Perfil

Mundo

Egito pede ajuda ao FMI devido a crise no turismo e estagnação de receitas

​O Egito solicitou oficialmente a ajuda financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar a recuperar uma economia em dificuldades, anunciou a instituição na terça-feira.

"As autoridades egípcias solicitaram ao FMI que lhes forneça apoio financeiro a acompanhar o programa económico", garantiu o diretor do Departamento do Médio Oriente do FMI, Masood Ahmed, em comunicado.

O montante da ajuda não foi especificado pelo fundo. Alguns meios já avançaram a quantia anual de sete mil milhões de dólares (6,4 mil milhões de euros), durante três anos.

Uma missão do FMI vai deslocar-se ao Cairo, onde vai estar durante duas semanas, a partir de 30 de julho, avançou o comunicado.

No final de 2012, o FMI e o Egito, então dirigido pelo Presidente islamita Mohamed Morsi, concluíram um pré-acordo quanto a um empréstimo de 4,8 mil milhões de dólares, complementado por reformas económicas. Mas as discussões foram interrompidas meses depois, em plena situação de instabilidade política no país, que conduziu à destituição de Morsi pelo exército, em julho de 2013.

O Egito, dirigido desde então pelo marechal Abdel Fattah al-Sissi, reorientou-se então para as monarquias do Golfo para procurar liquidez.

A Arábia Saudita comprometeu-se a contribuir com uma ajuda de cinco mil milhões de dólares, enquanto os Emirados Árabes Unidos e o Koweit disponibilizaram em conjunto sete mil milhões.

Desde há vários meses que a economia egípcia é atingida em pleno pela queda das receitas em divisas estrangeiras, em resultado da diminuição do turismo e da estagnação das receitas do Canal do Suez.

Em meados de março, o banco central desvalorizou a moeda em cerca de 15%.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Fim de semana de muito frio e vento forte
    2:08

    País

    Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, vem aí mais frio e as temperaturas mínimas negativas vão regressar a alguns pontos do país. Prevê-se também vento intenso para as próximas 48 horas.

  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC