sicnot

Perfil

Mundo

Hungria reforça controlo sobre refugiados para evitar "perigo do terrorismo"

O primeiro-ministro da Hungria, Vitor Orban, afirmou esta terça-feira que apenas deixará entrar no seu território os refugiados submetidos a um severo e amplo controlo de segurança para evitar o risco de terrorismo.

"Só poderão entrar o que tivermos controlado. O controlo e a autorização de entrada estão associados, porque pretendemos evitar o perigo do terrorismo", assegurou o líder conservador húngaro, após um encontro com o chanceler austríaco, o social-democrata Christian Kern.

O primeiro-ministro reiterou que os refugiados "significam um risco de terrorismo" e explicou que as investigações sobre cada caso podem prologar-se "durante meses".

Orban insistiu que as políticas europeias de imigração são inaceitáveis para o seu Governo, e assegurou que aceitará da Áustria todos os imigrantes irregulares dos países dos Balcãs, caso do Kosovo e Albânia, que entraram na União Europeia (UE) por território húngaro, e que os enviará aos países de origem.

O chanceler reconheceu por sua vez que as medidas aplicadas por países como a Hungria, através do encerramento das fronteiras e a construção de vedações com arama farpado, contribuiu para diminuir o número de refugiados que chegam à Áustria e Alemanha.

"Devemos oferecer apoio e assumir a responsabilidade pelo que está a acontecer na Sérvia", afirmou Kern, numa alusão às centenas e refugiados que aguardam nesse país para entrar em território húngaro.

As autoridades húngaras apenas autorizam os migrantes e refugiados a entrar na Hungria através das "zonas de trânsito". Segundo o Alto comissariado da ONU para os refugiados (ACNUR), entre 15 e 20 pessoas podem entrar por dia. Centenas de outros aguardam na "terra de ninguém" em condições definidas como desesperadas.

Um grupo de 127 migrantes e refugiados alcançou no domingo a fronteira de Horgos, na fronteira servo-húngara, após uma marcha de dois dias desde Belgrado.

Este grupo iniciou entretanto uma greve de fome para exigir a sua entrada na Hungria e o acesso a outros países da UE, uma decisão que arrisca acelerar a atual crise na fronteira norte.

A Organização Mundial das Migrações (OIM) anunciou hoje que 250.000 refugiados e imigrantes já atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro de 2016.

No total, a OIM registou 159.657 chegadas à Grécia, 88.351 a Itália, 1.818 a Espanha e 28 a Chipre. No mesmo período, foram registados mais de 3.000 pessoas que perderam a vida nesta travessia.

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.