sicnot

Perfil

Mundo

Hungria reforça controlo sobre refugiados para evitar "perigo do terrorismo"

O primeiro-ministro da Hungria, Vitor Orban, afirmou esta terça-feira que apenas deixará entrar no seu território os refugiados submetidos a um severo e amplo controlo de segurança para evitar o risco de terrorismo.

"Só poderão entrar o que tivermos controlado. O controlo e a autorização de entrada estão associados, porque pretendemos evitar o perigo do terrorismo", assegurou o líder conservador húngaro, após um encontro com o chanceler austríaco, o social-democrata Christian Kern.

O primeiro-ministro reiterou que os refugiados "significam um risco de terrorismo" e explicou que as investigações sobre cada caso podem prologar-se "durante meses".

Orban insistiu que as políticas europeias de imigração são inaceitáveis para o seu Governo, e assegurou que aceitará da Áustria todos os imigrantes irregulares dos países dos Balcãs, caso do Kosovo e Albânia, que entraram na União Europeia (UE) por território húngaro, e que os enviará aos países de origem.

O chanceler reconheceu por sua vez que as medidas aplicadas por países como a Hungria, através do encerramento das fronteiras e a construção de vedações com arama farpado, contribuiu para diminuir o número de refugiados que chegam à Áustria e Alemanha.

"Devemos oferecer apoio e assumir a responsabilidade pelo que está a acontecer na Sérvia", afirmou Kern, numa alusão às centenas e refugiados que aguardam nesse país para entrar em território húngaro.

As autoridades húngaras apenas autorizam os migrantes e refugiados a entrar na Hungria através das "zonas de trânsito". Segundo o Alto comissariado da ONU para os refugiados (ACNUR), entre 15 e 20 pessoas podem entrar por dia. Centenas de outros aguardam na "terra de ninguém" em condições definidas como desesperadas.

Um grupo de 127 migrantes e refugiados alcançou no domingo a fronteira de Horgos, na fronteira servo-húngara, após uma marcha de dois dias desde Belgrado.

Este grupo iniciou entretanto uma greve de fome para exigir a sua entrada na Hungria e o acesso a outros países da UE, uma decisão que arrisca acelerar a atual crise na fronteira norte.

A Organização Mundial das Migrações (OIM) anunciou hoje que 250.000 refugiados e imigrantes já atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro de 2016.

No total, a OIM registou 159.657 chegadas à Grécia, 88.351 a Itália, 1.818 a Espanha e 28 a Chipre. No mesmo período, foram registados mais de 3.000 pessoas que perderam a vida nesta travessia.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.