sicnot

Perfil

Mundo

Pandas gémeos de Macau celebram 1º mês com parabéns no berçário

LUSA

Um mês após o nascimento, os pandas gémeos de Macau estão mais robustos e, ao colo de duas tratadoras, receberam hoje pelo vidro do berçário os parabéns cantados em chinês e inglês por crianças de uma creche local.

Nas últimas semanas, ganharam peso, pelo e as manchas pretas nas zonas dos olhos, orelhas, membros e ombros que os caraterizam, tendo ambos saído de incubadora. Pesados esta manhã, o mais velho, que nasceu com 135 gramas, tem agora 1.010 gramas, e o 'mais novo' - considerado 'ultraleve' por ter nascido com apenas 53,8 gramas -, pesa agora 14 vezes mais do que o seu peso inicial, tendo 753,6 gramas.

LUSA

O Pavilhão do Panda Gigante, no parque de Seac Pai Van, é um complexo envidraçado, dois jardins interiores com 330 metros quadrados e um jardim exterior de 600 metros quadrados com baloiços, canais de água e vegetação.

Desde a sua abertura em 2011, o pavilhão já recebeu mais de 800.000 visitantes, cerca de 260.000 no primeiro ano de funcionamento e uma média anual de 100.000 nos seguintes.

LUSA

As duas crias, ambas do sexo masculino, foram batizadas, uma semana depois de virem ao mundo, de Tai Pou e Sio Pou -- nomes dados comummente a crianças e que significam, respetivamente, "grande bebé" ou "grande tesouro" e "pequeno bebé" ou "pequeno tesouro", de acordo com o jornal The Macau Post Daily.

Hoje, além dos nomes em chinês, apareceram identificados nas mãos das tratadoras que os seguravam ao colo com a designação de 'irmão' e 'mano' em português.

LUSA

Esta foi a primeira pose das crias para as crianças da creche de uma associação local e para a imprensa. Mas as visitas do público ainda vão demorar, não devendo acontecer antes do final do ano ou início do próximo.

"As crias são ainda muito sensíveis a qualquer mudança de ambiente e temperatura, por isso, para colocar a sua saúde em primeiro lugar e tomando como referência as práticas de outras regiões, serão precisos cerca de seis meses para que os pandas gémeos possam ser vistos pelo público. A data concreta da primeira aparição pública das crias será decidida consoante o seu estado de saúde", informou o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, numa resposta enviada à Lusa.

LUSA

A mãe dos panda-gémeos - Xin-Xin em mandarim ou Sam Sam em cantonês -, também continua longe da vista dos visitantes. Ocupada a amamentar as crias, Xin-Xin dá de mamar aos bebés individualmente, com intervalos de seis a oito horas, em sessões que duram entre 15 a 20 minutos, disseram hoje no local um veterinário e um dos tratadores.

Já o pai Kai Kai (ou Hoi Hoi) recebe visitas desde que o espaço reabriu ao público a 12 de julho. Hoje foi o primeiro a regalar os olhos da criançada enquanto descansava, corpo preguiçosamente estendido entre a vegetação, no habitat recriado no Pavilhão do Panda Gigante, que é a casa do casal desde maio de 2015.

Mas foi no berçário que o grupo de crianças em idade pré-escolar se colou ao vidro. Desejaram bom dia aos pandas bebés, acenaram, sorriram e cantaram parabéns em chinês e inglês, sob os flashes das câmaras que registavam o primeiro mês de vida das crias.

  • Primeiras projeções dão vitória a Angela Merkel

    Mundo

    A CDU da chanceler Angela Merkel venceu as eleições legislativas deste domingo com 33,5% dos votos, seguida dos sociais-democratas do SPD e do partido Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita, segundo uma sondagem divulgada pela televisão pública ZDF.

  • Maratona da democracia em Barcelona
    1:18

    Mundo

    Na Catalunha, milhares de pessoas alimentam o braço de ferro com Madrid. Em Barcelona decorre a maratona pela democracia, na Praça da Universidade. A iniciativa repete-se noutros 300 municípios da região.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.