sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco diz que União Europeia não cumpre acordo sobre refugiados

Emrah Gurel

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que a União Europeia não está a cumprir o acordo assinado em março com Ancara sobre refugiados.

Ancara e Bruxelas assinaram um acordo ao abrigo do qual a Turquia aceitou receber migrantes ilegais que chegam às ilhas gregas a partir de território turco.

Em troca da cooperação de Ancara, os líderes da União Europeia (UE) concordaram em acelerar a liberalização dos vistos para os visitantes turcos, relançar as negociações de adesão e ainda duplicar para um total de seis mil milhões de euros a ajuda que será concedida à Turquia até 2018 e que se destina a melhorar as condições de vida dos 2,7 milhões de sírios refugiados no país.

Segundo Erdogan, a Turquia só recebeu até agora menos de dois mil milhões de euros.

"Os governos [europeus] não estão a ser honestos", disse Erdogan à televisão pública alemã ARD.

"Três milhões de sírios, ou pessoas do Iraque, estão agora na Turquia. (...) A União Europeia não cumpriu aquilo que prometeu nesta matéria", afirmou.

Segundo o presidente turco, os gastos da Turquia em ajuda a refugiados sírios ascendem já a 12 mil milhões de euros.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.