sicnot

Perfil

Mundo

Sequestro em França termina com raptores abatidos e um refém morto

ALICE PATALACCI

Dois homens armados com facas fizeram hoje cinco reféns numa igreja em Saint-Etienne-du-Rouvray, na região francesa da Normandia. Os sequestradores acabaram por ser abatidos pela polícia. Um dos reféns, padre, morreu e outro está gravemente ferido. O Presidente francês diz que o Daesh é o responsável pelo ataque.

Última atualização às 12:48

Um dos reféns morreu, avança fonte policial à France Press. Era um padre que, acrescenta outra fonte citada pela Reuters, tinha um corte na garganta.

Um porta-voz do ministério do Interior disse ao canal BFM TV que uma pessoa ferida no sequestro se encontra "entre a vida e a morte".

Na operação para pôr fim ao sequestro, a unidade de intervenção da polícia francesa matou os dois sequestradores que fizeram cinco reféns.

Além do padre, duas freiras e outras duas pessoas foram feitas reféns. O sequestro começou entre as 9:00 e as 9:30 (8:00 e 8:30 em Lisboa). A operação terminou perto das 11:00 locais (10:00 em Lisboa).

As motivações ainda não são conhecidas. Em comunicado, o ministério público de Paris indicou ter atribuído a investigação do caso à subdireção antiterrorista e a direção-geral de segurança interna francesas.

O presidente francês, François Hollande, decidiu deslocar-se de imediato ao local, perto de Rouen, cidade de onde é oriundo.

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.