sicnot

Perfil

Mundo

"A França já não é o que era"

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, reagiu hoje ao assassínio de um padre francês, no mais recente ataque terrorista em França, dizendo que "a França já não é o que era".

© Carlo Allegri / Reuters

Durante uma conferência de imprensa na Florida, o candidato republicano mencionou o ataque a uma igreja na região da Normandia, afirmando que um amigo que visitou recentemente o país disse-lhe: "Eu não vou a França. Eu não vou a França. França já não é o que era".

"Eles não vão gostar de mim por dizer isto. Mas, vimos o que aconteceu em Nice. Vimos o que aconteceu ontem com o padre que supostamente era um homem espetacular. França já não é o que era", disse Trump.

A 14 de julho, em Nice, um camião atropelou uma multidão de pessoas que festejava o dia nacional de França, fazendo 84 mortos. Na terça-feira, mais um ataque ocorreu no país, na Normandia, em que dois atacantes degolaram o padre Jacques Hamel, com 86 anos.

Ambos os ataques foram reivindicados pelo Daesh.

Trump procurou encontrar uma ligação entre a violência causada pelo Daesh e a imigração proveniente do Médio Oriente.

"Isto só vai piorar", disse o candidato à presidência dos Estados Unidos.

"A Hillary Clinton quer permitir que mais de 550 por cento de pessoas daquela região venham para o nosso país e nós não temos ideia de quem são, de onde vêm, e qual a sua documentação. Isto só vai piorar", acrescentou o bilionário magnata do setor imobiliário.

A candidata democrática Clinton disse, em setembro de 2015, no canal televisivo CBS, que era a favor do aumento do número de refugiados sírios (10.000 planeados pelo Presidente Barack Obama) para 65.000.

Lusa

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • CGD terá de reconhecer imparidades e prepara saída de 2 mil funcionários
    2:45

    Caso CGD

    O novo plano estratégico da Caixa está pronto e foi entregue há duas semanas ao Ministério das Finanças. A SIC sabe que está a ser preparada a saída de 2 mil trabalhadores e que o banco terá de reconhecer imparidades. O Expresso diz que a CGD vai fechar o ano com prejuízos que podem chegar aos 3 mil milhões de euros.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.