sicnot

Perfil

Mundo

Líderes religiosos pedem a Hollande reforço de segurança nos locais de culto

© Benoit Tessier / Reuters

Os representantes de várias religiões em França pediram hoje ao Presidente francês que os locais de culto "recebam mais atenção" das autoridades em questões de segurança, afirmou o reitor da grande mesquita de Paris, Dalil Boubakeur.

"Queremos que os nossos locais de culto (judeus, cristãos, muçulmanos...) recebam mais atenção, uma atenção continuada, já que mesmo o mais humilde dos locais de culto está sujeito a uma agressão", disse, no final de uma reunião na presidência francesa, no dia seguinte ao homicídio de um padre numa pequena igreja no noroeste do país.

O reitor da grande mesquita de Paris manifestou também "em nome dos muçulmanos de França o sofrimento profundo e a perturbação psicológica que sentem perante este sacrilégio blasfemo contrário a todos os ensinamentos da religião muçulmana".

Boubakeur defendeu uma "reforma das instituições" do Islão em França, considerando "ter chegado a hora de os muçulmanos se consciencializarem daquilo que não está na bem nesta visão mundial do Islão e que os muçulmanos de França desenvolvam uma formação mais atenta dos seus religiosos".

Dois extremistas islâmicos, um dos quais francês e conhecido pelos serviços antiterroristas, entraram na terça-feira de manhã na igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, na periferia de Rouen (noroeste), durante a missa e fizeram seis reféns, incluindo o padre, três religiosas e um casal.

O padre Jacques Hamel, de 85 anos, foi degolado. Os atacantes foram abatidos pela polícia, quando saíram para o adro da igreja a gritar "Allah Akbar" (Deus é grande).

Há mais de um ano que a ameaça de um ataque contra um local de culto cristão pairava sobre o país, depois do fracasso de uma tentativa de atentado, em abril de 2015, contra uma igreja católica de Villejuif, nos subúrbios de Paris.

Lusa

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.