sicnot

Perfil

Mundo

Papa afirma que "mundo está em guerra", mas não de religiões

© POOL New / Reuters

O papa declarou hoje, a bordo do avião com destino à Polónia, que "o mundo está em guerra", mas não de religiões, e sim "de interesses".

"Quando falo em guerra, falo numa guerra de interesses, por dinheiro, pelos recursos da natureza, pelo domínio dos povos. Mas não é uma guerra de religiões. Todas as religiões querem a paz, são os outros que querem a guerra", afirmou Francisco, no início de uma visita de cinco dias à Polónia por ocasião das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ).

No atual momento de violência, a primeira palavra que surge é "insegurança, mas o verdadeiro termo é guerra", disse o papa, referindo-se ao assassínio do padre francês Jacques Hamel, de 85 anos, degolado num ataque reivindicado pelo grupo extremista Daesh contra uma igreja nos arredores de Rouen, noroeste de França.

Mas o papa lembrou também a morte de muitos inocentes e não apenas na Europa.

"Há muito que o mundo está numa guerra fragmentada. Recordemos este santo padre que foi morto quando rezava por toda a Igreja. Ele é uma vítima, mas quantos cristãos, quantos inocentes, quantas crianças... Pensemos, por exemplo, na Nigéria", afirmou.

O papa também se referiu ao atual momento como uma guerra "não-orgânica", ou seja, não-declarada, mas "sim, organizada", esclareceu.

Sobre as JMJ, Francisco afirmou esperar que "os jovens dêem um pouco de esperança neste momento" ao mundo.


Lusa

  • Autópsia à mulher baleada pela PSP contradiz agentes
    1:28

    País

    A mulher que morreu acidentalmente durante uma perseguição da PSP terá sido baleada no pescoço e o trio terá sido disparado por trás. Entretanto, segundo a imprensa, a PJ ainda não encontrou vestígios do tiroteio, entre os assaltantes do multibanco de Almada e a PSP.

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".