sicnot

Perfil

Mundo

Partido populista alemão exige suspensão de direito de asilo para muçulmanos

(Arquivo)

© Stefan Wermuth / Reuters

O vice-presidente do partido populista Alternativa para a Alemanha (AfD) exigiu hoje a suspensão do direito de asilo para os muçulmanos até estarem regularizados todos os processos de refugiados dessa religião a residir no país.

"Nem todos os muçulmanos são terroristas, mas o terrorismo com motivação religiosa na Alemanha foi sempre e até agora muçulmano", disse Alexander Gauland.

No comunicado, Gauland denunciou as "políticas negligentes" da chanceler alemã, Angela Merkel, considerando que se transformaram num risco para a segurança de toda a Europa.

O atentado perpetrado por um menor refugiado afegão com um machado, num comboio que circulava nos arredores de Wurzburgo na passada semana, e a bomba que um requerente de asilo sírio fez explodir, no domingo, em Ansbach, reabriram o debate sobre a política de acolhimento da Alemanha.

No ano passado, a Alemanha recebeu cerca de 1,1 milhões de refugiados e no primeiro semestre deste ano entraram mais 222 mil requerentes de asilo.

"Por razões de segurança, não podemos permitir a entrada, de forma incontrolada, de mais muçulmanos na Alemanha", sublinhou Gauland, cujo partido obteve bons resultados nas últimas eleições locais alemãs, na sequência de uma campanha baseada na crise dos refugiados e num discurso xenófobo.

O líder da AfD alertou para a presença de terroristas entre os migrantes muçulmanos, que chegam ilegalmente ao país e acusou Merkel de ignorar esse perigo.


Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão