sicnot

Perfil

Mundo

Repórteres Sem Fronteiras denunciam três homicídios de jornalistas no Brasil este ano

arquivo reuters

A organização não-governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras lamentou hoje o homicídio de mais um jornalista no Brasil, o terceiro este ano, e apelou às autoridades do país para apurarem as responsabilidades.

Um jornalista brasileiro foi morto a tiro na cidade de Santo António do Descoberto, no estado de Goiás, revelou na segunda-feira a Federação Nacional de Jornalistas do Brasil.

João Miranda do Carmo, de 54 anos, era editor de um portal na internet em que denunciou casos de corrupção entre políticos locais e já tinha apresentado queixas na polícia por causa de ameaças.

A Repórteres Sem Fronteiras condena "com a maior firmeza o assassinato de João Miranda do Carmo e apela à justiça e à polícia local para identificarem, deterem e julgarem os responsáveis por este ato de uma imensa cobardia", afirmou o responsável pela ONG na América Latina, Emmanuel Colombié.

O Brasil é considerado pela Repórteres Sem Fronteiras um dos países mais perigosos da América Latina para os jornalistas, ocupando o 104.º lugar no 'ranking' deste ano da ONG da liberdade de imprensa, que integra 180 países.

O homicídio de João Miranda do Carmo foi o terceiro de um jornalista este ano no Brasil, segundo a Repórteres Sem Fronteiras. Em 2015, foram sete os jornalistas assassinados no Brasil.

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".