sicnot

Perfil

Mundo

Repórteres Sem Fronteiras denunciam três homicídios de jornalistas no Brasil este ano

arquivo reuters

A organização não-governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras lamentou hoje o homicídio de mais um jornalista no Brasil, o terceiro este ano, e apelou às autoridades do país para apurarem as responsabilidades.

Um jornalista brasileiro foi morto a tiro na cidade de Santo António do Descoberto, no estado de Goiás, revelou na segunda-feira a Federação Nacional de Jornalistas do Brasil.

João Miranda do Carmo, de 54 anos, era editor de um portal na internet em que denunciou casos de corrupção entre políticos locais e já tinha apresentado queixas na polícia por causa de ameaças.

A Repórteres Sem Fronteiras condena "com a maior firmeza o assassinato de João Miranda do Carmo e apela à justiça e à polícia local para identificarem, deterem e julgarem os responsáveis por este ato de uma imensa cobardia", afirmou o responsável pela ONG na América Latina, Emmanuel Colombié.

O Brasil é considerado pela Repórteres Sem Fronteiras um dos países mais perigosos da América Latina para os jornalistas, ocupando o 104.º lugar no 'ranking' deste ano da ONG da liberdade de imprensa, que integra 180 países.

O homicídio de João Miranda do Carmo foi o terceiro de um jornalista este ano no Brasil, segundo a Repórteres Sem Fronteiras. Em 2015, foram sete os jornalistas assassinados no Brasil.

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que o blogue de Hugo Gil, associado ao Benfica, partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31
  • Governo vai proibir refeições nos monumentos com estatuto de panteão
    0:53

    País

    O Governo vai acabar com as refeições no Panteão Nacional e em edifícios com estatuto semelhante, como os mosteiros dos Jerónimos e da Batalha. A decisão foi anunciada esta terça-feira pelo ministro da Cultura, no Parlamento. Luís Filipe Castro Mendes esclareceu que a decisão surge no âmbito da revisão do regulamento sobre os monumentos.

  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14