sicnot

Perfil

Mundo

UE apela à abolição da pena de morte na Indonésia

A União Europeia (UE) apelou hoje à Indonésia a abolição da pena de morte e que não aplique a pena capital a 14 pessoas condenadas a essa sentença, cujas execuções estão previstas para os próximos dias.

"A União Europeia pede ao país para parar todas as execuções e considerar unir-se à ampla comunidade de mais de 140 estados que aboliram a pena de morte ou que adotaram uma moratória", disse um porta-voz da alta representante da UE para a política exterior, Frederica Mogherini, num comunicado.

O porta-voz da chefe de diplomacia europeia recordou que "a UE se opõe à pena de morte sem exceção e pediu repetidamente a sua abolição".

O comunicado destaca que "a pena de morte é um castigo cruel e desumano, não serve como dissuasão e representa uma negação inaceitável da dignidade e da integridade humanas".

Várias pessoas protestaram terça-feira na capital do país, Jacarta, para que o governo deixe de aplicar a pena de morte na Indonésia.

Em 2015, as execuções por pena de morte alcançaram a quantidade mais alta em mais de 25 anos, segundo denunciou em abril a Amnistia Internacional (AI) no seu relatório anual.

Durante o último ano, cerca de 1.634 pessoas foram executadas, o que representa um aumento de 573 mortes em relação a 2014.

Segundo o relatório desta organização internacional, houve também um aumento no número de países que praticaram a pena de morte, que passou de 22 Estados em 2014 para 25 em 2015.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.