sicnot

Perfil

Mundo

Astronautas que foram à lua têm maior risco de doenças cardíacas

© NASA NASA / Reuters

Jim Irwin, Donn Eisele, Donald Evans, Wallya Schirra e Neil Armstrong. Estes cinco astronautas da missão Apolo morreram de ataque cardíaco ou com problemas relacionados. De acordo com um estudo agora publicado na Nature's Scientific Reports, cerca de 43% dos astronautas já mortos das missões Apolo, morreram devido a problemas cardiovasculares, provocados pela exposição à radiação espacial.

O número de mortes relacionadas com estes problemas são cinco vezes menos nos astronautas que nunca viajaram numa missão, ou que nunca deixaram a órbita terrestre baixa. Michael Delp, da Universidade da Florida, é o autor principal do estudo e acredita que o principal fator do número tão elevado é a exposição sem precedentes à radiação espacial.

Quando Jim Irwin andou na Lua em 1971, os médicos notaram sinais de um ataque cardíaco. Na Terra, Irwin seria levado de imeditato para o hospital. Contudo, a gravidade zero, o oxigénio puro, o traje pressurizado e a constante monitorização a partir da Terra resultaram, nesse caso, tão bem ou melhor. Rapidamente, os ritmos cardíacos de Irwin voltaram a estabilizar.

No entanto, alguns meses depois da chegada à Terra, o astronauta acabou por morrer de ataque cardíaco.

© NASA NASA / Reuters

Existem pelo menos quatro estudos sobre a mortalidade dos astronautas. A maior parte deles mostram que os astronautas vivem menos tempo, comparados com a população geral. Delp focou a sua investigação nos astronautas da Apolo e usou um diferente grupo de "exemplos".

Os estudos mais antigos comparavam os astronautas à população dos Estados Unidos da América. Delp decidiu comparar os astronautas das missões Apolo a outros astronautas.

O investigador achou importante publicar o estudo rapidamente, uma vez que no futuro estão pensadas missões à Lua e possivelmente a Marte. Se a radiação espacial causa efeitos negativos nos astronautas, então o tempo está a correr para esses efeitos serem investigados, de maneira a atenuá-los.

A equipa de Michael Delp já está a trabalhar com os cientistas do Centro Espacial Lyndon Johnson, na procura de mais informação sobre o histórico dos astronautas das missões Apolo.

Ainda não se sabe muito acerca dos efeitos da radiação espacial na saúde dos humanos. Contudo, a investigação de Delp ajudou a ter um breve vislumbre do futuro: é melhor começar a preparar já as viagens espaciais que estão para vir.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.