sicnot

Perfil

Mundo

Astronautas que foram à lua têm maior risco de doenças cardíacas

© NASA NASA / Reuters

Jim Irwin, Donn Eisele, Donald Evans, Wallya Schirra e Neil Armstrong. Estes cinco astronautas da missão Apolo morreram de ataque cardíaco ou com problemas relacionados. De acordo com um estudo agora publicado na Nature's Scientific Reports, cerca de 43% dos astronautas já mortos das missões Apolo, morreram devido a problemas cardiovasculares, provocados pela exposição à radiação espacial.

O número de mortes relacionadas com estes problemas são cinco vezes menos nos astronautas que nunca viajaram numa missão, ou que nunca deixaram a órbita terrestre baixa. Michael Delp, da Universidade da Florida, é o autor principal do estudo e acredita que o principal fator do número tão elevado é a exposição sem precedentes à radiação espacial.

Quando Jim Irwin andou na Lua em 1971, os médicos notaram sinais de um ataque cardíaco. Na Terra, Irwin seria levado de imeditato para o hospital. Contudo, a gravidade zero, o oxigénio puro, o traje pressurizado e a constante monitorização a partir da Terra resultaram, nesse caso, tão bem ou melhor. Rapidamente, os ritmos cardíacos de Irwin voltaram a estabilizar.

No entanto, alguns meses depois da chegada à Terra, o astronauta acabou por morrer de ataque cardíaco.

© NASA NASA / Reuters

Existem pelo menos quatro estudos sobre a mortalidade dos astronautas. A maior parte deles mostram que os astronautas vivem menos tempo, comparados com a população geral. Delp focou a sua investigação nos astronautas da Apolo e usou um diferente grupo de "exemplos".

Os estudos mais antigos comparavam os astronautas à população dos Estados Unidos da América. Delp decidiu comparar os astronautas das missões Apolo a outros astronautas.

O investigador achou importante publicar o estudo rapidamente, uma vez que no futuro estão pensadas missões à Lua e possivelmente a Marte. Se a radiação espacial causa efeitos negativos nos astronautas, então o tempo está a correr para esses efeitos serem investigados, de maneira a atenuá-los.

A equipa de Michael Delp já está a trabalhar com os cientistas do Centro Espacial Lyndon Johnson, na procura de mais informação sobre o histórico dos astronautas das missões Apolo.

Ainda não se sabe muito acerca dos efeitos da radiação espacial na saúde dos humanos. Contudo, a investigação de Delp ajudou a ter um breve vislumbre do futuro: é melhor começar a preparar já as viagens espaciais que estão para vir.

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC