sicnot

Perfil

Mundo

Astronautas que foram à lua têm maior risco de doenças cardíacas

© NASA NASA / Reuters

Jim Irwin, Donn Eisele, Donald Evans, Wallya Schirra e Neil Armstrong. Estes cinco astronautas da missão Apolo morreram de ataque cardíaco ou com problemas relacionados. De acordo com um estudo agora publicado na Nature's Scientific Reports, cerca de 43% dos astronautas já mortos das missões Apolo, morreram devido a problemas cardiovasculares, provocados pela exposição à radiação espacial.

O número de mortes relacionadas com estes problemas são cinco vezes menos nos astronautas que nunca viajaram numa missão, ou que nunca deixaram a órbita terrestre baixa. Michael Delp, da Universidade da Florida, é o autor principal do estudo e acredita que o principal fator do número tão elevado é a exposição sem precedentes à radiação espacial.

Quando Jim Irwin andou na Lua em 1971, os médicos notaram sinais de um ataque cardíaco. Na Terra, Irwin seria levado de imeditato para o hospital. Contudo, a gravidade zero, o oxigénio puro, o traje pressurizado e a constante monitorização a partir da Terra resultaram, nesse caso, tão bem ou melhor. Rapidamente, os ritmos cardíacos de Irwin voltaram a estabilizar.

No entanto, alguns meses depois da chegada à Terra, o astronauta acabou por morrer de ataque cardíaco.

© NASA NASA / Reuters

Existem pelo menos quatro estudos sobre a mortalidade dos astronautas. A maior parte deles mostram que os astronautas vivem menos tempo, comparados com a população geral. Delp focou a sua investigação nos astronautas da Apolo e usou um diferente grupo de "exemplos".

Os estudos mais antigos comparavam os astronautas à população dos Estados Unidos da América. Delp decidiu comparar os astronautas das missões Apolo a outros astronautas.

O investigador achou importante publicar o estudo rapidamente, uma vez que no futuro estão pensadas missões à Lua e possivelmente a Marte. Se a radiação espacial causa efeitos negativos nos astronautas, então o tempo está a correr para esses efeitos serem investigados, de maneira a atenuá-los.

A equipa de Michael Delp já está a trabalhar com os cientistas do Centro Espacial Lyndon Johnson, na procura de mais informação sobre o histórico dos astronautas das missões Apolo.

Ainda não se sabe muito acerca dos efeitos da radiação espacial na saúde dos humanos. Contudo, a investigação de Delp ajudou a ter um breve vislumbre do futuro: é melhor começar a preparar já as viagens espaciais que estão para vir.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18