sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 15 mil pessoas já foram detidas na Turquia

Na Turquia, prossegue a purga levada a cabo pelas autoridades na sequência do golpe falhado de 15 de julho. De acordo com a Amnistia Internacional, o número de pessoas detidas já ultrapassou as 15 mil.

A organização de defesa dos direitos humanos denunciou também inúmeros casos de tortura e de desaparecimentos.

Além das detenções, que estão a ser realizadas ao abrigo do Estado de Emergência, decretado por três meses, há milhares de funcionários públicos demitidos ou suspensos das suas funções.

Entre militares, médicos, professores, juízes e procuradores, serão mais de 45 mil as pessoas afastadas dos cargos que ocupavam na estrutura do Estado.

A purga atinge sobretudo pessoas com suspeitas de ligações ao teólogo Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, que, segundo o presidente turco Recep Erdogan, está alegadamente por trás da tentativa de golpe de Estado falhada.

Cerca de 25 empresas de media e 20 sites de notícias, considerados próximos de Gulen, foram encerrados e 47 antigos funcionários e jornalistas do diário Zaman, que até março era controlado por pessoas ligadas a Gulen, foram detidas.

  • Vidas de fogo
    12:04
  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.