sicnot

Perfil

Mundo

Merkel recusa alterar política de acolhimento de refugiados

© Hannibal Hanschke / Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, rejeita firmemente os apelos para reverter a postura de acolhimento de refugiados, após vários ataques no país. "[Os atacantes] querem pôr em causa o nosso sentido de comunidade, a nossa abertura e a nossa vontade de ajudar pessoas que necessitam", afirmou Merkel à imprensa.

"Rejeitamos isto firmemente", garantiu a chanceler, que interrompeu as suas férias de verão a norte de Berlim para falar à imprensa na capital alemã.

Merkel afirmou que quatro ataques numa semana foram "chocantes, opressivos e depressivos", mas rejeitou a ideia de que as autoridades estejam a perder o controlo.

A governante alemã aludiu a ataques noutros locais - como França, Bélgica, Turquia ou os Estados Unidos -, considerando que "aconteceram em locais onde qualquer um de nós poderia estar".

Merkel reiterou a sua posição, a mesma que no ano passado justificou a entrada de refugiados, que fugiam da guerra e de perseguições, muitos da Síria, num total de mais de 1,1 milhões de migrantes e refugiados.

"Eu continuo convencida de que conseguiremos - é o nosso dever histórico e este é um desafio histórico em tempos de globalização", considerou.

Os quatro atentados recentes na Alemanha - um ataque com um machado, um tiroteio, um ataque à facada e um bombista suicida - causaram 13 mortos, entre os quais três atacantes, e dezenas de feridos.

Três dos quatro atacantes procuravam asilo e dois dos atentados foram reclamados pelo Daesh.

Enquanto a classe política alemã apelou à calma, partidos da oposição e críticos dentro do bloco conservador de Merkel têm-na acusado de expor o país a um inaceitável nível de risco, sem controlos mais rígidos sobre as novas entradas.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.