sicnot

Perfil

Mundo

Presidente francês anuncia criação de guarda nacional

© POOL New / Reuters

O presidente francês anunciou hoje a criação de uma guarda nacional no país para ajudar as forças de segurança na luta antiterrorista, na sequência dos vários ataques ocorridos em França.

"O presidente da República decidiu que a guarda nacional vai ser constituída pelas reservas operacionais existentes", refere-se num comunicado do palácio do Eliseu, emitido no final de um encontro de François Hollande com deputados especializados na questão.

No início de agosto, vão ser apresentadas propostas referentes aos meios a utilizar, antes da execução operacional possivelmente no início do outono.

"As modalidades de formação das forças de proteção no território francês vão ser definidas em concertação com o conjunto dos atores", de acordo com o comunicado.

No início do próximo mês vai realizar-se "um conselho de defesa" sobre esta futura guarda nacional, que deverá precisar os efetivos.

O objetivo é "acelerar a operacionalidade desta força ao serviço da proteção dos franceses", referiu o comunicado do Eliseu.

Até aqui, Hollande tinha abordado a possibilidade de envolver as reservas da guarda, polícia e das forças armadas (exército, força aérea e marinha) no apoio ao trabalho das forças de segurança, sob pressão há 18 meses devido a uma série de atentados.

Assim, 15 mil reservistas deverão estar disponíveis até final de julho contra os atuais 12 mil.

O ministério da Defesa francês vai "mobilizar os 28 mil titulares de um contrato de compromisso para estarem prontos nas próximas semanas". E as forças de segurança vão também poder contar com "10 mil reservas da guarda que deixaram o serviço há menos de dois anos", afirmou recentemente François Hollande.


Lusa

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.