sicnot

Perfil

Mundo

Cruzamento de raças pode reduzir problemas de saúde do buldogue inglês

Com temperamento meigo e aparência simpática, o buldogue inglês é muitas vezes do agrado das crianças.

© Laszlo Balogh / Reuters

O cruzamento do buldogue inglês com cães de outra raça parece ser a melhor solução para garantir a sua sobrevivência, avança um estudo norte-americano. Durante muito tempo sujeito a uma rigorosa seleção genética, o buldogue inglês ficou sujeito a vários problemas de consanguinidade, situação que segundo os investigadores poderá ser resolvida com a introdução de sangue novo.

O buldogue inglês apresenta regularmente diversos problemas de saúde. O focinho demasiado curto, muito admirado e desenvolvidos pelos criadores, tem contribuído para o aumento dos problemas respiratórios, principal causa de mortalidade desta raça.

Problemas de pele e mobilidade, que causam grande desconforto ao animal, são também muito comuns, bem como as dificuldades ao nível da reprodução.

Niels Pedersen, um dos autores do estudo da Universidade da Califórnia, publicado recentemente na revista Canine Genetics and Epidemiology, disse à BBC: "Nós tentámos uma solução para os problemas existentes (...) Se queremos tornar esta raça mais robusta, temos que a reabilitar com novas estratégias e não recorrendo aos métodos antigos".

De acordo com este investigador, o Olde English Bulldogge, raça semelhante de cães, cuja criação foi iniciada na década de 1970 nos Estados Unidos, poderá ser sério candidato para injetar sangue novo no buldogue inglês.

O buldogue inglês, também conhecido como buldogue britânico, tem desde há séculos uma estreita relação com o Reino Unido. Figuras de destaque do país, como Winston Churchill, foram fotografados ao lado dos seus animais de estimação desta raça.

Ao longo do tempo, os buldogue inglês têm-se tornado populares em todo o mundo porque são "bons cães de apartamento", como explica Pedersen. São animais com temperamento meigo e uma aparência simpática, também por isso são muitas vezes do agrado das crianças.

  • Cães detetam cheiro de diabetes em seres humanos

    Mundo

    O olfacto apurado dos cães já se mostrou útil para detetar problemas de saúde, como alguns tipos de cancro e níveis baixos de açúcar no sangue nos diabéticos. Cientistas britânicos acreditam ter descoberto porque é que os cães conseguem farejar o momento em que ocorre esta crise tão perigosa - a hipoglicémia.

  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.