sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão queixa-se de pressão depois da mulher ter sido levada pela polícia

O "rapper" luso-angolano Luaty Beirão, condenado pelo tribunal de Luanda por rebelião e associação de malfeitores, denunciou esta sexta-feira que a família está a ser "pressionada", depois de a mulher, Mónica Almeida, ter sido levada por agentes da polícia.

O ativista, em liberdade provisória precisamente desde 29 de junho, juntamente com os restantes 16 condenados no mesmo processo, confirmou à Lusa que Mónica Almeida esteve mais de duas horas retida por agentes da polícia, para ser identificada, interpelada quando estava a conduzir.

Posteriormente, ainda durante a manhã de hoje, foi abordada por uma segunda patrulha da polícia tendo ficado incontactável por telemóvel, alegadamente devido ao recurso a um equipamento "bloqueador de sinal", equipamento habitualmente utilizado pelos serviços secretos angolanos, acusa Luaty Beirão.

Durante duas horas, Mónica Almeida "andou às voltas" a conduzir sob ordens da polícia, "sem nunca ter entrado na esquadra", tendo no final os agentes alegado uma confusão na identidade e que estavam à procura de uma "suposta assaltante".

Em comunicado a que a Lusa teve acesso, a Polícia Nacional já fez saber que foi aberta uma "investigação" a este caso, tendo em conta a "gravidade da situação", por "tal comportamento ou prática não fazer parte dos procedimentos de atuação do efetivo" daquela força e "não havendo qualquer orientação superior nesse sentido".

"Claro que tiro outra ilação do que aconteceu, já não sou anjinho nenhum, ainda mais na situação que estamos a viver. Vivemos num Estado policial e essas coisas acontecem com muito boa gente, poderia ser uma coincidência, mas eu já não acredito nisso", acusou o ativista.

Durante o período em prisão preventiva, entre junho e dezembro de 2015, e nos três meses em que esteve a cumprir parte da pena a que foi condenado, após 28 de março e até à libertação por decisão do Tribunal Supremo, incluindo na greve de fome de 36 dias que Luaty Beirão promoveu, Mónica Almeida foi sempre a porta-voz do 'rapper', um dos rostos mais visíveis da contestação ao Governo de José Eduardo dos Santos.

"Isto é uma forma de pressão, por contágio. Está toda uma família em polvorosa, nervosa, e depois entre nós começamos a ter pressão, a dizer para pensar na mulher, na filha. Basicamente, como não conseguem chegar até nós de outra forma, tentam com estes métodos", criticou ainda.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.