sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão queixa-se de pressão depois da mulher ter sido levada pela polícia

O "rapper" luso-angolano Luaty Beirão, condenado pelo tribunal de Luanda por rebelião e associação de malfeitores, denunciou esta sexta-feira que a família está a ser "pressionada", depois de a mulher, Mónica Almeida, ter sido levada por agentes da polícia.

O ativista, em liberdade provisória precisamente desde 29 de junho, juntamente com os restantes 16 condenados no mesmo processo, confirmou à Lusa que Mónica Almeida esteve mais de duas horas retida por agentes da polícia, para ser identificada, interpelada quando estava a conduzir.

Posteriormente, ainda durante a manhã de hoje, foi abordada por uma segunda patrulha da polícia tendo ficado incontactável por telemóvel, alegadamente devido ao recurso a um equipamento "bloqueador de sinal", equipamento habitualmente utilizado pelos serviços secretos angolanos, acusa Luaty Beirão.

Durante duas horas, Mónica Almeida "andou às voltas" a conduzir sob ordens da polícia, "sem nunca ter entrado na esquadra", tendo no final os agentes alegado uma confusão na identidade e que estavam à procura de uma "suposta assaltante".

Em comunicado a que a Lusa teve acesso, a Polícia Nacional já fez saber que foi aberta uma "investigação" a este caso, tendo em conta a "gravidade da situação", por "tal comportamento ou prática não fazer parte dos procedimentos de atuação do efetivo" daquela força e "não havendo qualquer orientação superior nesse sentido".

"Claro que tiro outra ilação do que aconteceu, já não sou anjinho nenhum, ainda mais na situação que estamos a viver. Vivemos num Estado policial e essas coisas acontecem com muito boa gente, poderia ser uma coincidência, mas eu já não acredito nisso", acusou o ativista.

Durante o período em prisão preventiva, entre junho e dezembro de 2015, e nos três meses em que esteve a cumprir parte da pena a que foi condenado, após 28 de março e até à libertação por decisão do Tribunal Supremo, incluindo na greve de fome de 36 dias que Luaty Beirão promoveu, Mónica Almeida foi sempre a porta-voz do 'rapper', um dos rostos mais visíveis da contestação ao Governo de José Eduardo dos Santos.

"Isto é uma forma de pressão, por contágio. Está toda uma família em polvorosa, nervosa, e depois entre nós começamos a ter pressão, a dizer para pensar na mulher, na filha. Basicamente, como não conseguem chegar até nós de outra forma, tentam com estes métodos", criticou ainda.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.