sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão queixa-se de pressão depois da mulher ter sido levada pela polícia

O "rapper" luso-angolano Luaty Beirão, condenado pelo tribunal de Luanda por rebelião e associação de malfeitores, denunciou esta sexta-feira que a família está a ser "pressionada", depois de a mulher, Mónica Almeida, ter sido levada por agentes da polícia.

O ativista, em liberdade provisória precisamente desde 29 de junho, juntamente com os restantes 16 condenados no mesmo processo, confirmou à Lusa que Mónica Almeida esteve mais de duas horas retida por agentes da polícia, para ser identificada, interpelada quando estava a conduzir.

Posteriormente, ainda durante a manhã de hoje, foi abordada por uma segunda patrulha da polícia tendo ficado incontactável por telemóvel, alegadamente devido ao recurso a um equipamento "bloqueador de sinal", equipamento habitualmente utilizado pelos serviços secretos angolanos, acusa Luaty Beirão.

Durante duas horas, Mónica Almeida "andou às voltas" a conduzir sob ordens da polícia, "sem nunca ter entrado na esquadra", tendo no final os agentes alegado uma confusão na identidade e que estavam à procura de uma "suposta assaltante".

Em comunicado a que a Lusa teve acesso, a Polícia Nacional já fez saber que foi aberta uma "investigação" a este caso, tendo em conta a "gravidade da situação", por "tal comportamento ou prática não fazer parte dos procedimentos de atuação do efetivo" daquela força e "não havendo qualquer orientação superior nesse sentido".

"Claro que tiro outra ilação do que aconteceu, já não sou anjinho nenhum, ainda mais na situação que estamos a viver. Vivemos num Estado policial e essas coisas acontecem com muito boa gente, poderia ser uma coincidência, mas eu já não acredito nisso", acusou o ativista.

Durante o período em prisão preventiva, entre junho e dezembro de 2015, e nos três meses em que esteve a cumprir parte da pena a que foi condenado, após 28 de março e até à libertação por decisão do Tribunal Supremo, incluindo na greve de fome de 36 dias que Luaty Beirão promoveu, Mónica Almeida foi sempre a porta-voz do 'rapper', um dos rostos mais visíveis da contestação ao Governo de José Eduardo dos Santos.

"Isto é uma forma de pressão, por contágio. Está toda uma família em polvorosa, nervosa, e depois entre nós começamos a ter pressão, a dizer para pensar na mulher, na filha. Basicamente, como não conseguem chegar até nós de outra forma, tentam com estes métodos", criticou ainda.

Lusa

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".