sicnot

Perfil

Mundo

Conselho de Segurança prolonga missão da ONU no Sudão do Sul

© Adriane Ohanesian / Reuters

O Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu na sexta-feira prolongar até 12 de agosto a missão da ONU no Sudão do Sul (UNMISS) para ter mais tempo para negociar um eventual reforço da mesma.

Os 15 membros do Conselho de Segurança adotaram por unanimidade uma breve resolução técnica proposta pelos Estados Unidos para evitar o fim do mandato da missão.

As propostas para reforçar o número de tropas da ONU no Sudão do Sul requerem "mais análise", embora o processo deva ser concluído com "urgência", disse a embaixadora dos Estados Unidos da América nas Nações Unidas, Samantha Power.

A UNMISS conta atualmente com 13.500 elementos, 12 mil dos quais são militares.

O secretário-geral da ONU instou recentemente o Conselho de Segurança a reforçar a missão das Nações Unidas no Sudão do Sul e pediu, entre outras coisas, o envio de helicópteros de combate para defesa da população.

Ban Ki-moon pediu ainda um embargo de armas e colocou a possibilidade de serem aprovadas mais sanções aos líderes do Sudão do Sul em resposta à recente onda de violência e combates.

Na quinta-feira, o secretário-geral da ONU avisou que o Sudão do Sul está à beira do abismo, na sequência da intensificação dos confrontos e de uma vaga de violência sexual.

Perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas, Ban Ki-moon afirmou estar "chocado pela escala da violência sexual", numa referência aos relatos de funcionários da organização que dão conta de pelo menos 120 casos de violações nas últimas três semanas.

Os combates entre unidades militares rivais na capital do país, Juba, entre 8 e 11 de julho, deixaram pelo menos 300 mortos e milhares de deslocados.

Independente desde 2011 após uma cisão do Sudão, o Sudão do Sul (o mais jovem país do mundo) está dilacerado por uma guerra civil marcada por massacres interétnicos que causaram dezenas de milhares de mortos e perto de três milhões de deslocados desde dezembro de 2013.

Este mês, os violentos combates registados na capital sul-sudanesa comprometeram um acordo de paz assinado em agosto de 2015.

No início de julho, líderes africanos aprovaram um plano que prevê a criação de uma força de proteção regional para o Sudão do Sul e pediram ao Conselho de Segurança da ONU para autorizar um mandato para esta futura brigada de intervenção.

"Existe um projeto de resolução em desenvolvimento", disse esta semana o embaixador britânico junto da ONU Matthew Rycroft.

Os 13.500 elementos que integram a UNMISS têm sido criticados por não terem conseguido travar a nova vaga de confrontos, bem como por terem falhado na proteção de civis durante os combates.

Perante o aumento de casos de violações, os operacionais da missão da ONU reforçaram as patrulhas perto da base da UNMISS e em Juba, segundo indicou o porta-voz da ONU, Farhan Haq.

Também estão a acompanhar as mulheres que saem para recolher lenha, por exemplo.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.