sicnot

Perfil

Mundo

França quer estruturar islão no país para o libertar do radicalismo

© Philippe Wojazer / Reuters

O primeiro-ministro francês afirmou hoje que o Estado vai intervir para estruturar o islão no país e libertá-lo do radicalismo, e pediu aos muçulmanos que ajudem a combater os que, em seu nome, questionam as liberdades públicas.

"O nosso país deve demonstrar ao mundo inteiro de forma brilhante que o islão é compatível com a democracia", sublinhou Manuel Valls num artigo hoje publicado pelo jornal "Le Jour du Dimanche", em reação ao debate suscitado pelos últimos atentados jiadistas em França, como aquele em que um padre foi morto numa igreja na Normandia.

O governante francês disse que as autoridades são e serão "implacáveis contra os que professam o ódio e fazem a apologia da violência", que os centros religiosos onde isso é feito "são e serão sistematicamente encerrados" e que quando os prevaricadores sejam estrangeiros serão expulsos do país.

Também vão ser criados centros de reinserção para pessoas radicalizadas (o primeiro abre em setembro) e haverá uma mobilização das administrações públicas e da sociedade civil, segundo Valls, que disse ainda que há uma questão pendente que é "a construção do islão em França".

"O Estado não tem que se ocupar da teologia, mas pode ajudar na criação de instituições de formação sólidas, com base em diplomas universitários abertos", disse ainda o primeiro-ministro francês.

O objetivo é que os imãs e os capelães muçulmanos que exerçam em França "tenham de ser apenas formados em França", que deverá "converter-se num centro de excelência europeu no ensino da teologia muçulmana".

Manuel Valls faz assim uma mudança na política desenvolvida pelo seu governo, que assinou em setembro do ano passado um acordo com Marrocos para enviar imãs para formação para este país norte-africano.

O primeiro-ministro socialistas assinala que o laicismo deve ser "o escudo" para o povo se proteger das intenções dos terroristas de dividir o país apoiando-se no islamismo radical, mas também que "há que ter a lucidez de reconhecer que é urgente ajudar o islão de França a desembaraçar-se dos que o minam a partir de dentro".

Lusa

20160731T125734

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".