sicnot

Perfil

Mundo

Mãe e a filha violadas por seis homens na Índia

Uma mãe e a filha adolescente foram violadas por seis homens, que as retiraram do carro onde seguiam, numa estrada em Nova Deli, e as arrastaram para um campo, onde as atacaram, informou hoje a polícia.

Um presumível grupo de assaltantes terá obrigado a parar o carro da família que circulava, no sábado, numa estrada movimentada, disse o diretor-geral da polícia, Daljeet Chaudhary.

A mãe contou à polícia que ela e a filha de 14 anos foram retiradas do veículo e violadas por seis homens.

Já os quatro homens da família disseram que foram amarrados com cordas e os seus pertences roubados durante o ataque, contou Daljeet Chaudhary disse à agência France Presse (AFP).

A polícia já deteve hoje 16 pessoas, mas continua a procurar o principal suspeito do ataque, que ocorreu no estado de Uttar Pradesh, a cerca de 65 quilómetros a sul da capital da Índia.

"O principal suspeito foi identificado. Estamos a tentar detê-lo o mais rapidamente possível e enviá-lo para a cadeia", disse o diretor-geral da polícia.

A Índia endureceu as punições para os violadores, desde o assassínio no final de 2012 de uma estudante de 23 anos em Nova Deli, vítima de violação coletiva. Mas este crime continua a ocorrer no páis. Segundo os números oficiais mais recentes, foram relatadas, em 2014, 36.735 situações de violação.

Ativistas alertam que este número será provavelmente muito maior, porque muitas mulheres não denunciam o crime devido ao estigma social ligado a estas situações.

Com Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".