sicnot

Perfil

Mundo

Papa Francisco recusa associar islão e violência

O papa Francisco recusa associar islão e violência, explicando que os católicos podiam ser igualmente violentos e advertiu a Europa que está a empurrar parte dos jovens para o terrorismo.

"Não creio que seja justo associar islão e violência", declarou Francisco, ao ser questionado sobre o recente homicídio de um padre em França por dois extremistas islâmicos e a opção de nunca mencionar o islão quando condena este tipo de atentados.

"Todos os dias, quando abro os jornais, vejo violência em Itália, alguém que mata a namorada, outro que mata a sogra e são católicos batizados. "Se falo de violência islâmica, também tenho de falar da violência cristã. Em quase todas as religiões, há sempre um pequeno grupo de fundamentalistas. Nós também os temos", explicou Jorge Bergoglio, em declarações aos jornalistas a bordo do avião na viagem de regresso da Polónia.

Como em várias intervenções ao longo da viagem de cinco dias, por ocasião das Jornadas Mundiais da Juventude, em Cracóvia, o papa Francisco garantiu que a religião não era o verdadeiro motor da violência.

"Podemos matar tanto com a língua, como com uma faca", afirmou, numa referência ao crescimentos dos partidos populistas que incitam ao racismo a à xenofobia.

O terrorismo "prospera quando o deus do dinheiro é colocado em primeiro" lugar e "quando não há outra opção".

"Quantos entre os nossos jovens europeus abandonámos sem ideiais, sem trabalho. Então eles voltam-se para as drogas, o álcool e aderem aos grupos fundamentalistas", considerou.

Os representantes muçulmanos em França e na Itália mostraram também recusar associar islão e violência ao participar na missa em igrejas católicas, esta manhã, em sinal de solidariedade e fraternidade, cinco dias depois do homicídio de um padre francês, em Rouen, no norte de França.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.