sicnot

Perfil

Mundo

França vai continuar a fechar mesquitas extremistas e a expulsar imãs

© Pascal Rossignol / Reuters

O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, afirmou hoje que as autoridades vão continuar a encerrar mesquitas extremistas e, nos casos em que os imãs sejam estrangeiros, a expulsá-los de França.

"Não há lugar em França (...) para os que apelam ao ódio", disse o ministro à imprensa após um encontro com responsáveis do Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM) no âmbito da luta contra o terrorismo depois dos últimos atentados em França.

"Fechámos duas dezenas de mesquitas e espaços de oração e haverá outros, tendo em conta as informações de que dispomos", prosseguiu, precisando ainda que foram emitidas cerca de 80 ordens de expulsão contra imãs estrangeiros e que há "várias dezenas" de casos em avaliação.

Cazeneuve anunciou por outro lado esperar que em outubro esteja finalizado o novo quadro institucional de enquadramento do culto muçulmano.

O novo quadro deverá levar à criação de "uma fundação" para financiar centros de culto, que atualmente recebem em muitos casos fundos de países estrangeiros, como a Arábia Saudita, e são instados a seguir uma linha religiosa ultraconservadora e contrária aos valores da República Francesa.

O ministro frisou a importância de "garantir a plena transparência do financiamento das mesquitas".

Outra vertente do quadro em preparação é a formação dos imãs e capelães que ministram nas prisões, para o que foi criado um "conselho teológico".

Esse conselho, explicou o ministro, será ser integrado por "teólogos de alto nível que, a partir de uma referência precisa, formem os imãs" para que "ensinem um islão (...) compatível com os valores da República".

O presidente do Conselho Francês do Culto Muçulmano, Anouar Kbibech, precisou que o conselho teológico tem por objetivo combater discursos radicais e estabelecer uma "carta dos imãs" que defina as bases das orações nas mesquitas.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28