sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 28 civis morreram em bombardeamentos na cidade de Alepo

Pelo menos 28 civis morreram nas últimas 24 horas na cidade de Alepo, Síria, na consequência de bombardeamentos feitos por grupos rebeldes sírios, disse o responsável pelo Observatório dos Direitos Humanos.

Segundo Rami Abdel Rahman, no ataque, a bairros controlados pelo Governo, morreram "seis crianças e oito mulheres" e dezenas de pessoas ficaram feridas.

Antiga potência económica da Síria, a cidade de Alepo está dividida desde meados de 2012 entre uma parte controlada pelo Governo e outra pelos rebeldes sírios.

Nas últimas semanas, as forças governamentais intensificaram a sua presença a leste, provocando receio de uma crise humanitária para os cerca de 250 mil pessoas.

Mais de 280 mil pessoas morreram desde o início do conflito na Síria, que teve início em março de 2011.

O conflito teve início com protestos antigovernamentais, que se transformaram numa guerra civil.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.