sicnot

Perfil

Mundo

Advogado chinês de Direitos Humanos condenado por subversão a pena suspensa

© Aly Song / Reuters

O ativista e advogado chinês Zhai Yanmin foi hoje condenado a três anos de prisão com quatro anos de pena suspensa por subversão. Este foi o primeiro de uma série de quatro julgamentos que se realizam esta semana na China relacionados com a campanha do regime contra defensores de direitos humanos.

A agência oficial chinesa Xinhua, escreveu que Zhai, "residente de Pequim sem emprego", foi considerado culpado de subverter o poder do Estado por um tribunal de Tianjin (nordeste), julgamento em que só entraram alguns meios de comunicação social autorizados pelo Governo chinês.

Segundo sentenças similares prévias contra outros oito ativistas ou advogados, a de Zhai implica que não terá de ir para a prisão se não incorrer no delito de que foi considerado culpado nos próximos quatro anos.

A agência EFE descreveu que nas imediações do tribunal de Tianjun houve hoje uma forte vigilância policial, "maior, inclusive, do que em outros processos contra dissidentes ou ativistas".

As autoridades cortaram a Avenida Xiangjiang, onde se encontra o tribunal, mantendo os jornalistas a centenas de metros de distância.

Pela primeira vez em casos deste género, o julgamento foi declarado "aberto ao público", possibilitando o acesso de alguns órgãos de comunicação às instalações judiciais.

O julgamento de Zhai faz parte de uma campanha repressiva lançada contra advogados dos Direitos Humanos, que resultou em várias detenções, entre as quais a de Zhou Shifeng, diretor do prestigiado escritório Shengrui, que será também julgado esta semana.

Segundo a Xinhua, os outros dois acusados que esta semana poderão receber o veredicto (Hu Shigen e Gou Hongguo) estão também acusados de "subversão".

Trata-se de uma acusação muito grave na China, cuja pena máxima é prisão perpétua.

A forte vigilância policial não evitou momentos de tensão.

Uma das cenas envolveu a chegada às imediações do tribunal de Yuan Shanshan, esposa de Xie Yanyi, um outro advogado vítima desta campanha, que se apresentou com o bebé de ambos, nascido em março, mas que o marido ainda não viu, devido ao isolamento a que foi submetido.

A polícia pressionou a mulher a deixar a zona, enquanto agentes obrigaram vários jornalistas a entrar para veículos das autoridades.

O julgamento realizou-se um dia depois de Wang Yu, outra advogada detida na sequência desta campanha, ter sido colocada em liberdade sob fiança, após ter feito uma "confissão", em que admite ter colaborado com "forças estrangeiras".

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.