sicnot

Perfil

Mundo

Antigo responsável sérvio da Bósnia libertado antecipadamente

​O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPIJ) autorizou a libertação antecipada de um antigo responsável policial sérvio da Bósnia, condenado a 17 anos de prisão em 2010 pelo seu envolvimento no massacre de Srebrenica, anunciou hoje o tribunal.

"Acordo no pedido de libertação antecipada de (Ljubomir) Borovcanin, efetiva a partir de 01 de agosto de 2016", declarou o juiz Theodor Meron ao confirmar a deliberação.

Em junho de 2010 a instância judicial ad hoc da ONU considerou sete homens por envolvimento na execução de cerca de 7.800 homens e rapazes muçulmanos no enclave de Srebrenica, leste da Bósnia-Herzegovina, em julho de 1995.

Este massacre, o mais grave na Europa desde a Segunda Guerra mundial, foi cometido por tropas sérvias bósnias a poucos meses do final da guerra civil (1992-1995).

Reconhecidos culpados de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, dois antigos responsáveis militares sérvios da Bósnia, o ex-tenente-coronel Vujadin Popovic, e o antigo coronel Ljubisa Beara, foram condenados a prisão perpétua.

Ljubomir Borovcanin estava incluído entre os cinco outros acusados, incluindo quatro ex-responsáveis militares, condenados a penas entre os cinco e os 35 anos de prisão efetiva.

Em setembro de 2009, mais de três anos após o início deste megaprocesso, a acusação pediu prisão perpétua contra todos os acusados.

Preso em abril de 2005, Borovcanin, 56 anos, estava detido na Dinamarca, para onde foi transferido em 10 de novembro de 2011 e onde cumpriu o resto da pena.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras