sicnot

Perfil

Mundo

Aprovada nova etapa para referendo na Venezuela

© Handout . / Reuters

A comissão nacional eleitoral (CNE) da Venezuela aprovou na segunda-feira mais uma etapa para o referendo para a destituição do Presidente Nicolás Maduro, mas a consulta popular promovida pela oposição enfrenta ainda vários obstáculos.

A oposição submeteu 1,8 milhões de assinaturas em maio pró-referendo, das quais 1,3 milhões foram validadas pela CNE. Posteriormente, pelo menos 200.000 signatários tinham de confirmar a sua escolha, pessoalmente, até ao final de junho.

Depois de um período de auditoria que durou um mês, 399.412 assinaturas foram validadas, ou seja, o dobro do mínimo exigido.

A CNE anunciou, no entanto, qie pediu uma investigação ao Ministério Público sobre alegadas irregularidades durante a recolha de assinaturas.

Apesar de a autoridade eleitoral ter validado uma nova etapa deste longo e complexo processo, os anti-chavistas (designação derivada do nome do ex-Presidente Hugo Chavez 1999-2013) deverão ainda superar vários obstáculos antes de a consulta popular ser uma realidade.

A CNE ainda não comunicou as datas da fase seguinte, em que quatro milhões de assinaturas devem ser recolhidas em apenas três dias e validadas de modo a que o referendo seja finalmente convocado.

Para destituir Nicolas Maduro, o 'sim' no referendo terá de ultrapassar a votação obtida nas presidenciais de 2013, em que foi eleito com 7,5 milhões de votos.

A oposição acusa Maduro pela crise económica no país, que enfrenta um problema de escassez de alimentos, inflação galopante e aumento da violência. Apesar de ter as maiores reservas de petróleo do mundo, a Venezuela sofreu o impacto da queda dos preços do petróleo bruto.

Eleito em 2013 para um mandato até 2019, o chefe de Estado venezuelano socialista enfrenta desde as eleições legislativas de dezembro de 2015 um parlamento controlado por uma coligação de centro-direita, a Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Os seus aliados apresentaram mais de 8.000 ações na justiça contra a petição de referendo e pediram às autoridades eleitorais para proibirem a coligação da oposição de promover a consulta por alegada fraude.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.