sicnot

Perfil

Mundo

Aprovada nova etapa para referendo na Venezuela

© Handout . / Reuters

A comissão nacional eleitoral (CNE) da Venezuela aprovou na segunda-feira mais uma etapa para o referendo para a destituição do Presidente Nicolás Maduro, mas a consulta popular promovida pela oposição enfrenta ainda vários obstáculos.

A oposição submeteu 1,8 milhões de assinaturas em maio pró-referendo, das quais 1,3 milhões foram validadas pela CNE. Posteriormente, pelo menos 200.000 signatários tinham de confirmar a sua escolha, pessoalmente, até ao final de junho.

Depois de um período de auditoria que durou um mês, 399.412 assinaturas foram validadas, ou seja, o dobro do mínimo exigido.

A CNE anunciou, no entanto, qie pediu uma investigação ao Ministério Público sobre alegadas irregularidades durante a recolha de assinaturas.

Apesar de a autoridade eleitoral ter validado uma nova etapa deste longo e complexo processo, os anti-chavistas (designação derivada do nome do ex-Presidente Hugo Chavez 1999-2013) deverão ainda superar vários obstáculos antes de a consulta popular ser uma realidade.

A CNE ainda não comunicou as datas da fase seguinte, em que quatro milhões de assinaturas devem ser recolhidas em apenas três dias e validadas de modo a que o referendo seja finalmente convocado.

Para destituir Nicolas Maduro, o 'sim' no referendo terá de ultrapassar a votação obtida nas presidenciais de 2013, em que foi eleito com 7,5 milhões de votos.

A oposição acusa Maduro pela crise económica no país, que enfrenta um problema de escassez de alimentos, inflação galopante e aumento da violência. Apesar de ter as maiores reservas de petróleo do mundo, a Venezuela sofreu o impacto da queda dos preços do petróleo bruto.

Eleito em 2013 para um mandato até 2019, o chefe de Estado venezuelano socialista enfrenta desde as eleições legislativas de dezembro de 2015 um parlamento controlado por uma coligação de centro-direita, a Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Os seus aliados apresentaram mais de 8.000 ações na justiça contra a petição de referendo e pediram às autoridades eleitorais para proibirem a coligação da oposição de promover a consulta por alegada fraude.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.