sicnot

Perfil

Mundo

Aviação russa lança raides intensos no sul de Alepo

© Abdalrhman Ismail / Reuters

A aviação russa lançou hoje de madrugada intensos raides no sul da cidade síria de Alepo, em apoio às forças do regime sírio e desacelerando uma ofensiva dos rebeldes, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Os combates, de uma violência inédita, entre as forças pró-regime e os rebeldes apoiados pelo grupo jihadista Frente Fateh al-Cham (ex-Frente al-Nosra e que cortou ligações com a Al-Qaida), fizeram dezenas de mortos nos dois lados do conflito desde o início da ofensiva no domingo, acrescentou aquela organização não-governamental.

Com a sua ofensiva no sul da segunda maior cidade síria, os rebeldes tentam abrir uma nova via de aprovisionamento em direção aos bairros que controla e impedir o regime de controlar a totalidade da metrópole.

A cidade está desde 2012 dividida entre os bairros ocidentais, nas mãos de forças governamentais, e os bairros orientais, controlados pelos rebeldes e totalmente cercados pelo exército desde 17 de julho.

"Os ataques russos intensos não pararam toda a noite [de segunda para terça-feira]" no sudoeste de Alepo, onde se concentram os combates, disse à AFP Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH.

Estes ataques "desaceleraram a contraofensiva [rebelde] e permitiram às tropas do regime retomar cinco das oito posições conquistadas pelos rebeldes, acrescentou.

"Os rebeldes tinham avançado, mas não conseguiram consolidar as suas posições", disse.

O principal objetivo do assalto dos rebeldes é tomar o distrito governamental de Ramoussa - nos subúrbios sul de Alepo - cujo controlo lhes permitira abrir um novo eixo de abastecimento dos seus bairros, situados no leste e sudeste da ex-capital económica do país.

É também através de Ramoussa que se faz o abastecimento do exército e dos civis na parte ocidental de Alepo, pelo que a tomada daquele distrito pelos rebeldes privaria a parte oeste de provisões.

Os combates fizeram pelo menos 50 mortos do lado dos rebeldes e 'jihadistas' e "dezenas de mortos" do lado do governo, avança o OSDH.

Cerca de 30 civis na zona governamental de Alepo foram mortos na segunda-feira por rockets disparados pelos rebeldes.

Segundo uma fonte militar síria, cerca de 5.000 combatentes pró-regime estão envolvidos nos combates, incluindo combatentes iranianos e do Hezbollah libanês, que participam pelo lado do regime.

Segundo o OSDH, trata-se do maior ataque levado a cabo pelos rebeldes de Alepo desde a ofensiva em 2012, que resultou na tomada de metade da cidade pelos rebeldes e fez tremer o regime do Presidente sírio Bashar Al-Assad.

"É a última oportunidade para os rebeldes. Se eles perderem, será difícil lançarem-se numa nova ofensiva para quebrar o cerco", disse Abdel Rahman.

Mais de 280.000 pessoas já morreram desde o início do conflito na Síria, em 2011.

Lusa

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.