sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan acusa Ocidente de "apoiar o terrorismo" e o golpe militar

© Alkis Konstantinidis / Reuter

​O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o cenário do fracassado golpe de Estado de 15 de julho "foi escrito a partir do estrangeiro" e acusou o Ocidente de "apoiar o terrorismo" e os golpistas.

No ataque mais virulento que pronunciou desde a abortada tentativa de golpe militar, Erdogan assegurou que "não foi apenas um acontecimento planificado no interior" do país.

"Os atores [do golpe] atuaram no país segundo um cenário que foi escrito a partir do estrangeiro", afirmou o chefe de Estado, que acusa o clérigo Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, de ser o mentor da intentona militar.

Previamente, o Presidente turco tinha já referido que Estados estrangeiros poderiam estar envolvidos, apesar de não ter fornecido pistas sobre os países eventualmente responsáveis.

"Infelizmente, o Ocidente apoia o terrorismo e coloca-se ao lado dos golpistas", prosseguiu durante o discurso de hoje no palácio presidencial em Ancara e transmitido pela televisão, numa resposta às críticas dos Estados Unidos e de países europeus sobre a amplitude das purgas que se sucederam à fracassada intentona.

"Aqueles que imaginámos serem nossos amigos estão ao lado dos golpistas e dos terroristas", frisou.

Erdogan denunciou em particular a decisão das autoridades alemãs de proibirem que discursasse através de uma ligação vídeo em ecrã gigante aos seus apoiantes que de reuniram no domingo em Colónia (oeste da Alemanha) sob o lema da defesa da democracia.

"Bravo! Os tribunais na Alemanha trabalham muito depressa!", ironizou.

Na segunda-feira, o vice-chanceler alemão e dirigente dos Partido social-democrata (SPD), Sigmar Gabriel, defendeu a decisão do Tribunal constitucional, de proibir a transmissão em ecrã gigante da mensagem de Erdogan. Calcula-se que a comunidade turca na Alemanha atinja 3,4 milhões de pessoas, metade com nacionalidade germânica.

No seu discurso, o homem forte da Turquia criticou ainda Berlim pela autorização concedida no passado ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de se exprimir por videoconferência, e quando prosseguem os combates com o exército turco, centrados no sudeste do país, após o fim do cessar-fogo em julho de 2015.

O PKK é considerado uma organização terrorista por Ancara, Estados Unidos e União Europeia.

O líder turco revelou que a Turquia entregou previamente uma lista de 4 mil militantes que são procurados, mas não obteve qualquer resposta. "Mas neste caso o Tribunal constitucional decide em duas horas" para banir a videoconferência, insistiu.

"O Ocidente está do lado da democracia ou do lado do terror?", acrescentou, acusando também a Bélgica de não ter extraditado um militante de esquerda suspeito de envolvimento em 1996 na morte do empresário turco Ozdemir Sabanci.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.