sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan e Renzi trocam palavras azedas sobre justiça e "Estado de direito"

A guerra de palavras do Presidente turco Recep Tayyip Erdogan com o Ocidente tornou-se pessoal, quando esta terça-feira disse aos juízes italianos envolvidos numa investigação ao seu filho que deveriam antes perseguir a máfia.

A observação do chefe de Estado turco originou uma resposta imediata do primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, que defendeu a vigência do "Estado de direito" no país transalpino.

"Neste país os juízes respondem às leis e à Constituição italiana, não ao Presidente turco. Chama-se 'Estado de direito'", disse Renzi na rede social Twitter.

Necmettin Bilal, o filho mais velho de Erdogan, que estudou na cidade italiana de Bolonha, está sob investigação desde fevereiro por juízes da procuradoria desta cidade por suspeita de envolvimento em fuga de capitais. Erdogan já considerou que o prosseguimento deste processo pode dificultar as relações bilaterais.

Em entrevista concedida hoje ao canal televisivo italiano Rai News, Erdogan admitiu que o caso da investigação sobre o seu filho em Bolonha "pode dificultar" as relações com a Itália, defendendo que "deveria ocupar-se melhor da mafia".

Para além de Renzi, e através de uma declaração, o Ministério dos Negócios Estrangeiros italiano também se pronunciou sobre as palavras de Erdogan, para salientar que no país "está em vigor o Estado de direito" e acrescentar que existe "pleno respeito pela autonomia da magistratura".

O ministério também indicou na declaração que a justiça e as forças da ordem "estão empenhadas no êxito com a [luta contra a] máfia e para o fazer não necessitam de qualquer incentivo".

Ao abordar as relações entre a Europa e a Turquia, a nota oficial da Farnesina (Ministério dos Negócios Estrangeiros italiano) "reitera a firme condenação do golpe de Estado de 15 de julho e confirma a preocupação comum em toda a Europa pelos acontecimentos em curso".

Na entrevista à Rai News Erdogan mostrou-se muito crítico face à atuação das autoridades europeias na sequência da tentativa de golpe de Estado, em particular com a chefe da diplomacia comunitária, a italiana Federica Mogherini.

"Mogherini não deveria ter falado do exterior, deveria ter vindo aqui. Quando em Paris morrem cinco ou seis pessoas, todos comparecem. Na Turquia, houve um golpe contra a democracia que custou a vida a 238 mártires e até agora não veio ninguém", criticou.

O chefe de Estado turco questionou-se ainda sobre a atitude da dirigente da União Europeia.

"Se o parlamento italiano fosse bombardeado, que se passaria? Como reagiria Mogherini, que é italiana? Diria que fizeram bem, que está preocupada com os processos que surgiriam?", disse.

Erdogan também associou a continuação do acordo do seu país com a União Europeia (UE) para o reenvio de refugiados à supressão por Bruxelas dos vistos para cidadãos turcos.

"Se a UE não conceder a liberalização dos vitos para os cidadãos turcos, Ancara não respeitará o acordo de março sobre os imigrantes", asseverou o líder turco.

Lusa

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.