sicnot

Perfil

Mundo

Juncker nomeia britânico Julian King comissário para a Segurança

O presidente da Comissão Europeia nomeou o britânico Julian King comissário para a Segurança, encarregado da luta contra o terrorismo e o crime organizado, substituindo Jonathan Hill, que se demitiu após o Brexit, informou um comunicado.

Jean-Claude Juncker "anunciou a sua intenção de atribuir a pasta da Segurança da União ao Sir Julian King", antigo embaixador britânico em Paris, pode ler-se no comunicado.

Julian King "apoiará a aplicação do programa europeu em matéria de segurança adotado pela Comissão Europeia" em abril.

Este programa de cinco anos visa lutar contra o terrorismo, o crime organizado e o cibercrime.

"Trata-se de uma nova pasta, que completa as pastas existentes", acrescenta o comunicado.

O presidente da Comissão Europeia informou na segunda-feira à noite a primeira-ministra britânica, Theresa May, da sua decisão.

O novo comissário, que fez a maior parte da sua carreira na Europa, é desde fevereiro embaixador do Reino Unido em França.

Na Comissão Europeia, foi chefe de gabinete dos britânicos Peter Mandelson (Comércio) e Catherine Ashton (diplomacia) em 2008-2009.

O anterior comissário britânico, Jonathan Hill, demitiu-se após o voto a favor do Brexit no final de junho.

A sua pasta - Estabilidade financeira, mercados financeiros e União dos mercados de capitais - passou para os comissários letão, Valdis Dombrovskis, e francês, Pierre Moscovici.

Se a nomeação de Julian King for confirmada, o novo comissário trabalhará "sob a orientação de Frans Timmermans, primeiro vice-presidente, encarregado da melhoria da regulamentação, das relações interinstitucionais, do Estado de direito e da Carta dos Direitos Fundamentais", acrescenta o comunicado, segundo o qual o seu trabalho irá apoiar o de Dimitris Avramopoulos, comissário para as Migrações, os Assuntos Internos e a Cidadania.

A nomeação foi enviada para o Parlamento Europeu para aprovação e precisa ainda de luz verde dos Estados-membros da UE.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida