sicnot

Perfil

Mundo

Aeroporto de Macau superou os 600 mil passageiros mensais pela primeira vez

© Bobby Yip / Reuters

Mais de 600 mil passageiros passaram pelo aeroporto de Macau em julho, um recorde nos mais de 20 anos de história da infraestrutura, foi hoje anunciado. A média diária de julho superou os 19 mil passageiros, mais 20% do que no mesmo mês de 2015, segundo um comunicado da administração do Aeroporto Internacional de Macau, que foi inaugurado em dezembro de 1995, quando a cidade era ainda administrada por Portugal.

Mais de 4.900 aviões passaram pela pista do aeroporto de Macau em julho, mais 2% do que há um ano.

O sudeste asiático continuou a ser a origem e destino da maioria dos voos (43% do total), seguindo-se a China continental (30%) e Taiwan (27%).

No final de julho, havia cerca de 1.400 voos por semana no aeroporto de Macau operados por 30 companhias aéreas para 42 destinos.

O Aeroporto Internacional de Macau já havia fechado 2015 com um recorde anual de mais de 5,8 milhões de passageiros, um aumento de 6,4% comparativamente a 2014, segundo dados revelados em janeiro.

O movimento de aeronaves foi superior a 55 mil -- mais 6% face ao ano anterior --, enquanto o volume de carga transportada superou as 30 mil toneladas, refletindo uma subida de 4,5%.

A Companhia do Aeroporto de Macau (CAM) atribuiu o recorde atingido em 2015 ao impulso do mercado turístico do Sudeste e do Norte da Ásia, que teve uma quota superior a 40%.

A China representou no ano passado um terço do mercado global de passageiros, enquanto Taiwan teve uma fatia de 27%, segundo a CAM.

Duas décadas após a inauguração do Aeroporto Internacional de Macau, só a companhia aérea portuguesa TAP realizou voos de longo curso de e para o território, mas apenas durante 30 meses, uma realidade que dificilmente se irá inverter.

"Quisemos atrair voos internacionais [de longo curso], mas é muito difícil, normalmente [as companhias] têm tendência para procurar 'placas giratórias' regionais capazes de gerar tráfico para rentabilizar as rotas. Não é o nosso caso, somos um aeroporto muito pequeno. Os voos de longo curso são bem-vindos, mas não temos tido grande sucesso", disse o diretor do Aeroporto Internacional de Macau, António Barros, numa entrevista à Lusa em dezembro, a propósito do 20.º aniversário do aeroporto.

Lusa

  • Racionamento da água é medida de último recurso
    2:35
  • "Estamos Vivos": o processo de reabilitação depois dos incêndios
    1:22