sicnot

Perfil

Mundo

Israel compra máscaras antigás a empresas que as venderam também aos nazis

© Amir Cohen / Reuters

Israel tem comprado, desde há décadas, máscaras antigás a fornecedores que as fabricaram e venderam aos nazis que mataram judeus em câmaras de gás, noticiou o jornal diário israelita Yedot Ahronot.

O país compra as máscaras a duas empresas, uma delas a alemã Drager e a outra a norte-americana MAS, que anteriormente era a Auer, de propriedade alemã.

De acordo com descobertas recentes, ambas as empresas fabricaram máscaras que eram utilizadas pelos soldados nazis para se protegerem, quando entravam nas câmaras de gás, dos químicos que utilizaram para matar milhões de judeus em Auschwitz e outros campos de concentração.

O jornal assegura que as duas companhias são fornecedoras habituais do país e isentas de apresentar-se a concursos públicos.

Os equipamentos são adquiridos pelo ministério da Defesa, o corpo de bombeiros, os caminhos-de-ferro de Israel, a polícia, o serviço prisional e outras instituições.

O uso destes equipamentos consta de uma investigação do Museu do Holocausto de Jerusalém, Yad Vashem, revela o jornal.

O deputado Oren Hazan apresentou um projeto de lei para proibir que o Estado israelita faça negócios com empresas que colaboraram com o regime nazi.

Desde a guerra do Golfo, em 1991, e até há pouco tempo, Israel distribuía máscaras antigás a toda a população, pelo que adquiria grandes quantidades.

Em 2013, a procura pública das máscaras junto do serviço postal israelita -- que é responsável pela sua distribuição -- chegou a duplicar, face aos receios da população de uma possível intervenção dos Estados Unidos na Síria.

Em janeiro de 2014, as autoridades anunciaram o abandono da política de distribuição destes artigos, por considerarem que tinha ocorrido uma "diminuição drástica" da ameaça de ataque com armas químicas.

Foi apontada também a possível ineficácia para combater determinados agentes semelhantes ao gás 'sarin', além de razões económicas: cada equipamento tem um custo de 100 dólares e a população ronda os oito milhões de habitantes.

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47