sicnot

Perfil

Mundo

Israel compra máscaras antigás a empresas que as venderam também aos nazis

© Amir Cohen / Reuters

Israel tem comprado, desde há décadas, máscaras antigás a fornecedores que as fabricaram e venderam aos nazis que mataram judeus em câmaras de gás, noticiou o jornal diário israelita Yedot Ahronot.

O país compra as máscaras a duas empresas, uma delas a alemã Drager e a outra a norte-americana MAS, que anteriormente era a Auer, de propriedade alemã.

De acordo com descobertas recentes, ambas as empresas fabricaram máscaras que eram utilizadas pelos soldados nazis para se protegerem, quando entravam nas câmaras de gás, dos químicos que utilizaram para matar milhões de judeus em Auschwitz e outros campos de concentração.

O jornal assegura que as duas companhias são fornecedoras habituais do país e isentas de apresentar-se a concursos públicos.

Os equipamentos são adquiridos pelo ministério da Defesa, o corpo de bombeiros, os caminhos-de-ferro de Israel, a polícia, o serviço prisional e outras instituições.

O uso destes equipamentos consta de uma investigação do Museu do Holocausto de Jerusalém, Yad Vashem, revela o jornal.

O deputado Oren Hazan apresentou um projeto de lei para proibir que o Estado israelita faça negócios com empresas que colaboraram com o regime nazi.

Desde a guerra do Golfo, em 1991, e até há pouco tempo, Israel distribuía máscaras antigás a toda a população, pelo que adquiria grandes quantidades.

Em 2013, a procura pública das máscaras junto do serviço postal israelita -- que é responsável pela sua distribuição -- chegou a duplicar, face aos receios da população de uma possível intervenção dos Estados Unidos na Síria.

Em janeiro de 2014, as autoridades anunciaram o abandono da política de distribuição destes artigos, por considerarem que tinha ocorrido uma "diminuição drástica" da ameaça de ataque com armas químicas.

Foi apontada também a possível ineficácia para combater determinados agentes semelhantes ao gás 'sarin', além de razões económicas: cada equipamento tem um custo de 100 dólares e a população ronda os oito milhões de habitantes.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.