sicnot

Perfil

Mundo

Líder do Conselho da Europa reconhece necessidade de "limpeza" na Turquia

© Handout . / Reuters

O secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjorn Jagland, reconheceu hoje na Turquia a "necessidade de limpar" as instituições do país após a tentativa de golpe de Estado.

O ex-primeiro-ministro norueguês foi o primeiro responsável europeu a manifestar apoio a Ancara e quando prossegue uma vasta purga em diversas instituições.

No entanto, recordou a necessidade de se respeitar o "Estado de direito" enquanto prossegue a perseguição aos simpatizantes do clérigo Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, acusado de ter fomentado o abortado golpe de 15 de julho.

"Queria dizer que existe muito pouca compreensão por parte da Europa sobre os desafios que o golpe falhado originou para as instituições democráticas e o Estado na Turquia", disse o secretário-geral do Conselho da Europa após um encontro com o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu.

As críticas sobre a amplitude desta purga surgiram de diversos países ocidentais, e na sequência de drásticas medidas que atingiram as Forças Armadas, justiça, educação e os 'media', com um total de 10.000 detenções provisórias e 50.000 despedimentos compulsivos.

"Reconheço que era necessário combater que estava por detrás do golpe falhado e também esta rede secreta, que infiltrou as instituições do Estado, o exército e também a justiça", considerou Thorbjorn Jagland numa referência aos seguidores de Gülen.

"Fomos informados das redes de Gülen há muito tempo. Decerto que encaramos a necessidade de limpar tudo isso", disse Jagland antes de um encontro com o Presidente Recep Tayyip Erdogan, e seguida de uma reunião com o primeiro-ministro Binali Yildirim.

Mas "é também muito importante que isso seja feito em conformidade com o Estado de direito e as normas da Convenção europeia dos direitos humanos", acrescentou.

Esta convenção "menciona princípios muito importantes pelos quais toda a pessoa é inocente enquanto não for provada a sua culpabilidade", sublinhou.

Jagland felicitou-se pelo facto de o Governo turco ter aceitado "trabalhar com peritos do Conselho da Europa para que a situação decorra de forma conveniente", numa referência ao período pós-golpe de Estado e quando a Turquia está submetida ao estado de emergência durante três meses.

À semelhança da França, a Turquia anunciou que iria prescindir temporariamente da Convenção europeia dos direitos humanos, e em que lhe permite em certos limites perseguições e medidas judiciais mais eficazes e excecionais.

A Turquia é membro do Conselho da Europa desde 1949, uma instituição que reúne 47 países e vocacionada para a defesa dos direitos humanos e do Estado de direito.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.