sicnot

Perfil

Mundo

PM turco diz que serviços secretos avisaram o exército sobre o golpe mas não o Governo

© Umit Bektas / Reuters

Os serviços secretos da Turquia (MIT) avisaram o exército da tentativa de golpe de Estado de 15 de julho, mas não informaram o Governo, disse o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, numa entrevista divulgada pela imprensa turca.

"Às 15:00 horas (13:00 horas em Lisboa) do dia 15 de julho, um comandante informou o MIT. Ele disse que neste mesmo dia seriam atacados. Perguntei ao MIT porque não nos informaram e não me responderam", disse Yildirim numa entrevista emitida na noite de terça-feira pela CNNTurk.

Binali Yildirim disse ainda que questionou diretamente o chefe do MIT sobre os acontecimentos não terem sido relatados ao Presidente e ao primeiro-ministro.

"Que o chefe do Estado Maior seja informado é totalmente natural, claro, mas deveria ter falado ao mesmo tempo com o primeiro-ministro, porque é dependente dele. Entretanto, não me respondeu nada, não me disse nada", acrescentou.

Segundo um comunicado das Forças Armadas, emitido poucos dias depois da tentativa de golpe falhado, o MIT havia informado às 16:00 horas (14:00 horas em Lisboa) a chefia militar e esta deu ordens para não permitir a saída de tanques e aviões dos quartéis.

As ordens foram desobedecidas pelos golpistas, iniciaram um movimento de tropas durante à noite, cinco horas e meia depois do aviso.

O Governo teve notícia do golpe uma hora mais tarde, quando caças já sobrevoavam Ancara e Istambul, e o Presidente, Recep Tayyip Erdogan, afirmou ter sido informado pelo seu cunhado.

Erdogan propôs que o MIT passe a depender da Presidência, para o qual depende do apoio da oposição, e referiu ainda que acontecerá uma profunda reforma nos serviços de informação da Turquia.

Na mesma entrevista, Yildirim disse que até ao momento 58.000 funcionários, incluindo cerca de 23.000 professores, foram suspensos dos cargos como medida contra as redes de simpatizantes do clérigo exilado Fethullah Gulen, acusado pelo Governo de ser o líder da tentativa de golpe.

Segundo o jornal turco Hurriyet, durante a reunião com o chefe do Estado Maior norte-americano, Joseph Dunford, segunda-feira em Ancara, o primeiro-ministro turco insistiu que Washington deve extraditar Gulen para a Turquia.

O clérigo vive nos Estados Unidos desde 1999.

"Esperávamos dos Estados Unidos uma posição mais firme e mais determinada (sobre o golpe). Se este homem permanecer lá, teremos um grande problema", disse Yildirim a Dunford, de acordo com o jornal turco.

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.