sicnot

Perfil

Mundo

"Sem vacinas não há benefícios fiscais" faz aumentar vacinação de crianças australianas

© Amir Cohen / Reuters

Desde que o Governo australiano introduziu a política de não atribuir benefícios fiscais às famílias que não vacinavam as crianças que a taxa de vacinação aumentou. A medida teve de ser implementada porque estavam a surgir surtos de doenças evitáveis com vacinas.

A campanha "No jab no pay" (tradução à letra "sem pica não há pagamento"), introduzida a 1 de janeiro deste ano, fez com que mais 5738 crianças australianas tenham sido inoculadas e outras 148 mil tenham colocado as vacinas em dia, revela um relatório do Governo australiano.

A taxa de vacinação atinge agora 93% das crianças entre um e cinco anos, pela primeira vez na Austrália.

"Estávamos perante um ressurgimento de doenças de que há anos nos tínhamos visto livres", explicou o ministro dos Assuntos Sociais Christian Porter à ABC News. Doenças como o sarampo ou a tosse convulsa, esta última com mais mil casos novos em 2015.

A política "No jab no pay" prevê que os pais que recusem vacinar os filhos fiquem sem poder receber os benefícios fiscais relativos à família e impedidos de inscrever crianças na rede pública de ensino pré-escolar.

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Martin Schulz ataca Merkel a três meses das legislativas

    Mundo

    O social-democrata alemão Martin Schulz passou este domingo à ofensiva, a três meses das eleições legislativas, ao acusar Angela Merkel de "arrogância" e de sabotar a "democracia", quando as sondagens apontam para uma larga vantagem da chanceler da Alemanha.

  • Martha, a cadela mais feia do mundo
    0:42

    Mundo

    A cadela Martha, de raça mastim napolitano ficou em primeiro lugar na edição anual do concurso que elege os cães mais feios do mundo. A cadela tem três anos, pesa 57 quilos e foi resgatada pela dona quando estava praticamente cega. Acabou por recuperar a visão depois de várias operações. Martha e a dona receberam um prémio de 1.500 dólares e uma viagem a Nova Iorque para marcarem presença em programas de televisão.