sicnot

Perfil

Mundo

Tratamento experimental contra cancro da mama avança nos EUA

(SIC/ Arquivo)

A agência norte-americana dos medicamentos (FDA) atribuiu o estatuto de avanço terapêutico ao tratamento experimental LEE011 para uma forma agressiva do cancro da mama, da farmacêutica suíça Novartis.

O tratamento experimental faz parte de uma nova classe de medicamentos que tem como efeito abrandar a progressão do cancro, ao impedir a ação de duas proteínas que fazem as células cancerígenas crescerem e dividirem-se num curto espaço de tempo, explicou em comunicado o grupo farmacêutico sedeado na cidade suíça de Basileia.

O estatuto de avanço terapêutico permite acelerar os procedimentos de exame para as pacientes com cancro da mama tipo HR+/HER2-, uma forma agressiva de cancro. Foi atribuído pela Food and Drug Administration (FDA) depois de ter analisado o estudo Monaleesa-2.

O estudo, que visava avaliar a eficácia do tratamento em mulheres com cancro da mama que já tiveram a menopausa e que não receberam nenhuma terapia antes, obteve resultados positivos e atestou uma melhoria significativa na vida das pacientes, sem progressão da doença.

Os resultados vão ser apresentados num próximo congresso de medicina e vão servir de base para debate com as autoridades sanitárias americanas e europeias, afirmou a Novartis.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.