sicnot

Perfil

Mundo

Juncker diz que seria "um grave erro" fechar à Turquia a porta de adesão à UE

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker considerou esta quinta-feira em declarações à televisão alemã que o fim das negociações de adesão da Turquia à União Europeia (UE) seria "um grave erro de política externa", após um apelo nesse sentido da Áustria.

"Neste momento, se dermos a entender à Turquia que, qualquer que seja a situação, a UE não está pronta para aceitar a Turquia, isso seria quanto a mim um grave erro de política externa", disse em declarações à cadeia televisiva ARD numa entrevista que será difundida domingo mas com a divulgação prévia de alguns excertos.

Previamente, o chanceler austríaco Christian Kern tinha considerado que a UE deverá pôr termo às negociações de adesão com a Turquia definidas como uma "ficção" na atual situação.

"Devemos enfrentar a realidade, as negociações de adesão não são mais que ficção", declarou na noite de quarta-feira aos media austríacos, acrescentando que "as normas democráticas turcas estão longe de ser suficientes para justificar a sua adesão".

Kern acrescentou que pretende um debate sobre esta questão no decurso do Conselho Europeu previsto para 16 de setembro.

O ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Omer Celik, reagiu de imediato ao considerar "extremamente perturbantes" as declarações do primeiro-ministro austríaco.

"A crítica é um direito democrático, mas deve existir uma diferença entre a crítica e adotar uma atitude anti-turca", acrescentou.

Lusa

  • "O PSD não é o bombeiro de serviço desta geringonça"
    1:09

    TSU

    O líder da bancada social-democrata avisa os partidos da esquerda para que tenham o caso da TSU como exemplo e não voltem a usar o PSD como muleta em situações em que não estejam de acordo com o Governo, como pode vir a acontecer com as PPP no setor da saúde. Luís Montenegro foi entrevistado esta manhã na SIC Notícias.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.