sicnot

Perfil

Mundo

Líder do Boko Haram continua presente e nega substituição

O líder do movimento radical Boko Haram, Abubakar Shekau, afirmou numa mensagem áudio continuar presente, apesar do anúncio da sua substituição pelo Daesh, à qual o grupo nigeriano jurou lealdade.

"As pessoas devem saber que continuamos aqui. Nunca causaremos qualquer discórdia entre as pessoas, viveremos pelo Corão", afirma Shekau na mensagem de 10 minutos.

A mensagem, cuja voz foi identificada por um jornalista da AFP habituado às declarações do grupo, ainda não foi autenticada pelas autoridades, mas segundo Yan St-Pierre, consultor sobre contraterrorismo do grupo Modern Security Consulting, "a fonte de difusão é muito fiável".

Shekau reagia a rumores de que teria sido substituído pelo xeque Abu Mosab al-Barnawi, um antigo porta-voz do Daesh.

Na última edição da revista online Al-Naba, divulgada na terça-feira, al-Barnawi foi entrevistado e apresentado como o novo Wali (chefe) do califado da África Ocidental.

Abubakar Shekau, que dirige o movimento desde 2009, afirma ter sido "enganado" por alguns dos seus combatentes e pelo Daesh, a quem jurou lealdade em março de 2015, a ponto de não mais poder "segui-los cegamente".

"Através desta mensagem queremos afirmar que não aceitaremos mais nenhum emissário, exceto aqueles realmente empenhados na causa de Deus", diz Shekau.

As especulações sobre o desaparecimento de Shekau são frequentes e o exército nigeriano já o declarou morto por diversas vezes. A última vez que apareceu foi em março, quando, com um aspeto enfraquecido, declarou num vídeo colocado na rede social YouTube: "Para mim, o fim chegou".

Ferido no estômago na altura daquele vídeo, segundo fontes próximas do movimento jihadista, Shekau não deu mais sinais de vida e dizia-se estar morto ou incapacitado para dirigir o grupo.

"De um ponto de vista estratégico, já se percebia que o grupo estava fortemente dividido", comentou Yan St-Pierre. "Agora a divisão é pública e a 'roupa suja' já não é lavada em privado", adiantou.

Romain Caillet, especialista em questões de terrorismo, disse na quarta-feira à AFP que "nenhum elemento" na entrevista de Bardawi à revista do EI "deixa pensar que Abubakar Shekau tenha sido morto, o que indicaria que foi provavelmente demitido".

Shekau assumiu a liderança do Boko Haram após a execução do seu líder histórico Mohammed Yusuf pelas forças de segurança em 2009, o que marcou o início de uma revolta dos islamitas que já causou cerca de 20 mil mortos e 2,6 milhões de deslocados em toda a região do lago Chade.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.