sicnot

Perfil

Mundo

Obama assume-se como feminista

O Presidente norte-americano, Barack Obama, assumiu-se como feminista num editorial publicado esta quinta-feira por ocasião do seu 55.º aniversário e defendeu a continuação dos esforços para derrubar os preconceitos de género.

"É uma época extraordinária para ser mulher", escreveu Barack Obama na revista feminina Glamour, adiantando que não o diz apenas como Presidente mas também como feminista.

Traçando os progressos alcançados pelas mulheres, desde o direito de voto ao acesso às profissionais antes fechadas às mulheres, Obama disse que educar as suas duas filhas, atualmente com 18 e 15 anos, lhe deu consciência da pressão a que estão submetidas as raparigas e mulheres.

"Vemos os comportamentos sociais subtis e menos subtis transmitirem-se através da cultura. Vemos enorme pressão sobre as raparigas para que tenham uma determinada aparência e um certo comportamento e até mesmo uma certa forma de pensar", continuou o presidente norte-americano, que em janeiro abandona a Casa Branca depois de dois mandatos.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras