sicnot

Perfil

Mundo

Polémica em França sobre "dia do burkini" em parque aquático

© TIM WIMBORNE / Reuters

A organização de um "dia do burkini", fato de banho islâmico, por uma associação de mulheres muçulmanas num parque aquático privado do sul de França desencadeou a indignação das autoridades locais, que exigiram a sua proibição.

A associação de mulheres, que trabalha nos bairros do norte de Marselha atingidos pela pobreza, reservou o Speed Water Parc para o dia 10 de setembro, com o aviso às participantes de que "não venham com duas peças", mas com um fato de banho escondendo o corpo "do peito aos joelhos".

"O parque autoriza excecionalmente Burkini/Jilbeb (túnica) de banho", está também escrito no anúncio da associação Smile 13. Na rede social Facebook, a associação esclarece que a indumentária imposta se explica pela presença de "professores de natação homens".

"As crianças do sexo masculino são autorizadas até aos dez anos", precisa-se ainda.

O presidente da câmara de Pennes-Mirabeau, uma cidade de 20.000 habitantes onde se situa o parque aquático, anunciou que vai emitir "uma ordem municipal proibindo aquela manifestação na localidade pelo motivo de ser suscetível de perturbar a ordem pública".

"Considero este evento uma provocação de que não precisamos no atual contexto. É comunitarismo puro e simples", declarou hoje ao jornal Le Parisien/Aujourd'hui em França este autarca de esquerda, Michel Amiel, também senador.

A deputada dos Republicanos (direita) Valérie Boyer afirmou, na rede social Twitter, que "aceitar esta autodenominada moda é fortalecer o comunitarismo no nosso país, uma questão de respeito dos nossos princípios fundamentais".

Segundo o presidente da junta de freguesia de um bairro de Marselha, Stéphane Ravier, da Frente Nacional (extrema-direita), "este dia islâmico demonstra que, apesar dos discursos tranquilizadores das autoridades muçulmanas, um determinado número de muçulmanos se exclui voluntariamente do nosso modelo republicano e se coloca a si mesmo à margem da nossa sociedade".

Um deputado municipal socialista de Marselha, Stéphane Mari, pediu à direção do parque aquático para desistir da iniciativa.

"Manter este tipo de manifestação, que será, sem dúvida nenhuma, amplamente mediatizada, é desferir um golpe no nosso modelo republicano e favorecerá, mais uma vez, o partido daqueles que hasteiam as bandeiras do ódio e da exclusão", defendeu.

O uso de trajes islâmicos no espaço público é malvisto em França, onde o véu é proibido nas escolas e às funcionárias de serviços públicos.

O surgimento do "burkini" e de hijabs em coleções de moda foi criticado em março pela ministra socialista dos Direitos das Mulheres, Laurence Rossignol, que nele viu "a promoção do confinamento do corpo das mulheres".

Lusa

  • Mário Centeno lidera hoje a primeira reunião do Eurogrupo
    1:56
  • Grafitter morre após cair do telhado da estação de Sete Rios
    0:57

    País

    Um grafitter morreu no sábado na estação intermodal de Sete Rios, em Lisboa. O jovem caiu de uma altura de seis metros, enquanto fazia um grafitti. As autoridades terão sido alertadas por um amigo, mas quando o INEM chegou o jovem de 21 anos já estava morto.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

  • Pelo menos 22 corpos retirados de hotel atacado em Cabul

    Mundo

    Pelo menos 22 corpos foram removidos do hotel de Cabul, no Afeganistão, atacado neste fim de semana pelos talibãs e alguns serão difíceis de identificar por estarem calcinados, de acordo com um novo relatório do Ministério da Saúde.

  • Casal que mantinha filhos acorrentados queria participar num reality show
    3:15
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.