sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco afirma que John Kerry vai visitar Turquia ainda este mês

© Umit Bektas / Reuters

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, vai visitar a Turquia durante este mês.

A visita de John Kerry, caso venha a ser confirmada, acontece num momento em que houve um aumento da tensão entre Washington e Ancara, na sequência da falhada tentativa de golpe de Estado a 15 de julho.

A Turquia tem exigido a extradição de Fethullah Gülen, a quem acusa de ser o mentor do golpe.

Na sequência do golpe, o Governo deteve e demitiu mais de 60.000 pessoas do setor militar, judiciário e da função pública, incluindo o setor da educação.

John Kerry

John Kerry

© Jorge Silva / Reuters

"Acho que o secretário de Estado vai chegar a 21 (de agosto)", afirmou Erdogan, em entrevista à televisão estatal TRT.

Dentro de duas semanas, uma delegação liderada pelos ministros dos Negócios Estrangeiros e Justiça da Turquia vai deslocar-se aos Estados Unidos para explicar o envolvimento de Gulen na tentativa de golpe de Estado, acrescentou o chefe de Estado turco.

O porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, recusou comentar a informação.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.