sicnot

Perfil

Mundo

Ucrânia vai construir fábrica de combustível nuclear com a Westinghouse

© Benoit Tessier / Reuters

A Ucrânia vai construir uma fábrica de produção de combustível nuclear com o grupo norte-americano Westinghouse para reduzir a dependência energética do país face à Rússia, anunciou em Kiev o ministro da Energia.

"Chegámos a acordo sobre a construção de uma fábrica de combustível nuclear em território ucraniano", disse o ministro Igor Nassalik durante uma conferência de imprensa, sem fornecer mais pormenores.

No entanto, acrescentou um outro acordo com o grupo norte-americano, filial do conglomerado japonês Toshiba, relativo a entregas suplementares de combustível nuclear para as centrais ucranianas.

A Ucrânia, ex-república soviética, permanece dependente da Rússia em termos energéticos, e quando as relações entre os dois países atingiram uma situação crítica na sequência da anexação da Crimeia por Moscovo em março de 2014, seguido do conflito armado no leste separatista pró-russo, que provocou mais de 9.500 mortos e milhares de feridos e desalojados em cerca de dois anos.

Nassalik recordou que a Rússia fornece atualmente cerca de 95% do combustível nuclear para as centrais ucranianas.

Por sua vez, a Westinghouse está presente no mercado ucraniano há vários anos. Em 2014, Kiev e o grupo norte-americano anunciou o prolongamento do acordo de cooperação até 2020.

Em junho, um destacado diplomata russo, Mikhaïl Oulianov, referiu recear "incidentes", ao considerar que o combustível da Westinghouse está inadaptado ao funcionamento as centrais ucranianas de conceção soviética.

Lusa

  • Cláusulas invulgares em contratos de alguns futebolistas
    1:40
  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.