sicnot

Perfil

Mundo

Ucrânia vai construir fábrica de combustível nuclear com a Westinghouse

© Benoit Tessier / Reuters

A Ucrânia vai construir uma fábrica de produção de combustível nuclear com o grupo norte-americano Westinghouse para reduzir a dependência energética do país face à Rússia, anunciou em Kiev o ministro da Energia.

"Chegámos a acordo sobre a construção de uma fábrica de combustível nuclear em território ucraniano", disse o ministro Igor Nassalik durante uma conferência de imprensa, sem fornecer mais pormenores.

No entanto, acrescentou um outro acordo com o grupo norte-americano, filial do conglomerado japonês Toshiba, relativo a entregas suplementares de combustível nuclear para as centrais ucranianas.

A Ucrânia, ex-república soviética, permanece dependente da Rússia em termos energéticos, e quando as relações entre os dois países atingiram uma situação crítica na sequência da anexação da Crimeia por Moscovo em março de 2014, seguido do conflito armado no leste separatista pró-russo, que provocou mais de 9.500 mortos e milhares de feridos e desalojados em cerca de dois anos.

Nassalik recordou que a Rússia fornece atualmente cerca de 95% do combustível nuclear para as centrais ucranianas.

Por sua vez, a Westinghouse está presente no mercado ucraniano há vários anos. Em 2014, Kiev e o grupo norte-americano anunciou o prolongamento do acordo de cooperação até 2020.

Em junho, um destacado diplomata russo, Mikhaïl Oulianov, referiu recear "incidentes", ao considerar que o combustível da Westinghouse está inadaptado ao funcionamento as centrais ucranianas de conceção soviética.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20