sicnot

Perfil

Mundo

Britânico detido em Lisboa por suspeita de homicídio em 1994 já foi extraditado

O homem de nacionalidade britânica que foi detido em Lisboa na terça-feira, acusado do homicídio de uma criança de seis anos, em 1994, já foi extraditado, informou hoje fonte do Tribunal da Relação de Lisboa.

"Foi extraditado na quinta-feira", disse à Lusa fonte da Relação, adiantando que o suspeito "pediu para ser extraditado".

O homem de 35 anos foi localizado e detido pela Polícia Judiciária no âmbito do cumprimento de um mandado de detenção europeu e estava também "indiciado como autor de um incêndio ocorrido numa esquadra de polícia", referiu a polícia em comunicado.

De acordo com a edição online do jornal Daily Mail, James Watson é suspeito do assassinato de Rikki Neave, que "foi encontrada estrangulada até à morte" em 1994, na propriedade onde Watson cresceu, em Peterborough, Cambridgeshire.

O jornal britânico avançou que, em abril deste ano, o homem foi preso pelo crime (que terá cometido no início da adolescência), mas "foi libertado sob fiança". Depois, terá fugido de autocaravana do Reino Unido.

"Julga-se que James Watson e um amigo pretendiam esconder-se em Portugal, mas o parceiro não concordou, o que o levou a querer voltar para casa", acrescentou.

Na terça-feira, na tentativa de retornar ao Reino Unido, Watson foi preso por agentes locais em Lisboa.

O suspeito permaneceu sob custódia em Portugal até começar o processo de extradição.

Lusa

  • Britânico suspeito de homícidio de criança vai ser extraditado
    0:52

    País

    O britânico James Watson vai ser presente a um juíz do Tribunal da Relação de Lisboa que irá determinar as medidas de coação e a extradição para o Reino Unido. Watson, era procurado pela polícia do Reino Unido depois de em abril ter sido detido e constituído arguido no processo de um homicídio de uma criança de 6 anos, ocorrido em 1994.

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.