sicnot

Perfil

Mundo

Clérigo Fethullah Gülen diz que justiça turca não é independente

© Charles Mostoller / Reuters

O clérigo turco exilado nos EUA Fethullah Gülen, visado por um mandado de prisãode Ancara, que o acusa de ser o mentor do recente golpe de Estado fracassado, denunciou hoje a falta de independência da justiça turca.

"Está bastante documentado que o sistema judiciário turco não é independente, pelo que o mandado de prisão é mais um exemplo da tendência do Presidente Erdogan para o autoritarismo e para se afastar da democracia", afirmou Gülen, em comunicado.

Um tribunal de Istambul emitiu na quinta-feira um mandado de captura dirigido a Fethullah Gülen.

O mandado de captura acusa o ex-imã, exilado nos Estados Unidos desde 1999, de "ter ordenado a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho", que provocou 272 mortos.

Esta decisão abre caminho a um pedido formal de extradição do "principal inimigo" do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Os mais altos responsáveis turcos já exigiram por numerosas vezes aos Estados Unidos a extradição de Gülen.

As autoridades norte-americanas solicitaram por sua vez o envio de provas sobre o envolvimento de Gülen na tentativa de derrube do poder em Ancara.

A Turquia afirma ter já enviado por duas vezes dossiês sobre o papel de Gülen no golpe de Estado fracassado, mas o antigo aliado do Presidente Erdogan tem desmentido todas as acusações.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.