sicnot

Perfil

Mundo

Primeira manifestação pela independência reúne 1.000 pessoas em Hong Kong

© Tyrone Siu / Reuters

Uma manifestação pela independência, a primeira com este objetivo, reuniu cerca de 1.000 pessoas em Hong Kong na presença de candidatos proibidos de concorrem às legislativas de setembro por defenderem uma rutura com a China, referiu a France-Presse.

As autoridades de Hong Kong consideram que as posições pró-independência são contrárias às leis em vigor nesta antiga colónia britânica, uma região administrativa especial chinesa e onde os setores oposicionistas dizem detetar um reforço da autoridade de Pequim.

Cerca de 1.000 manifestantes de todas as idades reuniram-se num parque perto da sede do governo, alguns exibindo cartazes com a frase "Independência de Hong Kong", referiu a agência noticiosa francesa.

Edward Leung, um dos cinco candidatos proibidos de participar nas eleições e chefe do partido Hong Kong Indigenous, foi aplaudido pelos presentes durante o seu discurso.

"A soberania de Hong Kong não pertence a Xi Jinping (o Presidente chinês), não pertence às autoridades e não pertence ao governo de Hong Kong. Pertence ao povo de Hong Kong", assinalou.

Segundo Satomi Cheng, uma manifestante de 49 anos, numerosos habitantes da cidade estão descontentes com a crescente influência da China.

"Dia após dia, os nossos direitos são-nos retirados pelo governo de Hong Kong e o Governo chinês", disse em declarações à France-Presse.

A ideia da independência é considerada ilegal pelas autoridades de Pequim e Hong Kong, e permanecia um tabu até à recente emergência de novos partidos que apelam a uma rutura.

Estas formações foram criadas por iniciativa de jovens desiludidos com a "revolta dos guarda-chuvas", uma mobilização pela democracia que agitou Hong Kong em 2014 mas fracassou na tentativa de obter concessões políticas da China.

A proibição dos candidatos favoráveis à independência provocou fortes protestos entre os seus apoiantes, mas Jasper Tang, presidente cessante da assembleia da cidade, defendeu em diversas ocasiões a legalidade da medida.

Desde 1997, que marcou o final do domínio britânico, que Hong Kong beneficia de um regime de "ampla autonomia" e teoricamente usufrui até 2047 de liberdades que não são aplicáveis no restante território da China.

Lusa

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.