sicnot

Perfil

Mundo

Primeira manifestação pela independência reúne 1.000 pessoas em Hong Kong

© Tyrone Siu / Reuters

Uma manifestação pela independência, a primeira com este objetivo, reuniu cerca de 1.000 pessoas em Hong Kong na presença de candidatos proibidos de concorrem às legislativas de setembro por defenderem uma rutura com a China, referiu a France-Presse.

As autoridades de Hong Kong consideram que as posições pró-independência são contrárias às leis em vigor nesta antiga colónia britânica, uma região administrativa especial chinesa e onde os setores oposicionistas dizem detetar um reforço da autoridade de Pequim.

Cerca de 1.000 manifestantes de todas as idades reuniram-se num parque perto da sede do governo, alguns exibindo cartazes com a frase "Independência de Hong Kong", referiu a agência noticiosa francesa.

Edward Leung, um dos cinco candidatos proibidos de participar nas eleições e chefe do partido Hong Kong Indigenous, foi aplaudido pelos presentes durante o seu discurso.

"A soberania de Hong Kong não pertence a Xi Jinping (o Presidente chinês), não pertence às autoridades e não pertence ao governo de Hong Kong. Pertence ao povo de Hong Kong", assinalou.

Segundo Satomi Cheng, uma manifestante de 49 anos, numerosos habitantes da cidade estão descontentes com a crescente influência da China.

"Dia após dia, os nossos direitos são-nos retirados pelo governo de Hong Kong e o Governo chinês", disse em declarações à France-Presse.

A ideia da independência é considerada ilegal pelas autoridades de Pequim e Hong Kong, e permanecia um tabu até à recente emergência de novos partidos que apelam a uma rutura.

Estas formações foram criadas por iniciativa de jovens desiludidos com a "revolta dos guarda-chuvas", uma mobilização pela democracia que agitou Hong Kong em 2014 mas fracassou na tentativa de obter concessões políticas da China.

A proibição dos candidatos favoráveis à independência provocou fortes protestos entre os seus apoiantes, mas Jasper Tang, presidente cessante da assembleia da cidade, defendeu em diversas ocasiões a legalidade da medida.

Desde 1997, que marcou o final do domínio britânico, que Hong Kong beneficia de um regime de "ampla autonomia" e teoricamente usufrui até 2047 de liberdades que não são aplicáveis no restante território da China.

Lusa

  • Quatro pessoas assassinadas em Barcelos

    País

    Quatro pessoas, entre elas uma grávida, foram assassinadas hoje em Tamel, no concelho de Barcelos. As vítimas terão sido esfaqueadas e o suspeito já se entregou.

    Em desenvolvimento

  • Défice de 2016 fica nos 2,1%

    Economia

    O défice orçamental ficou nos 2,1% do PIB em 2016, em linha com o previsto pelo Governo. É o valor mais baixo em democracia. Está aberto o caminho ao fim do Procedimento por Défices Excessivos.

    Em desenvolvimento

  • Libertado o ex-Presidente egípcio Hosni Mubarak

    Mundo

    O ex-Presidente egípcio foi libertado hoje, depois de ter sido absolvido por um tribunal de recurso, no início deste mês. Hosni Mubarak estava agora confinado a um hospital militar. O antigo chefe de Estado tinha sido condenado em 2012 pela morte de manifestantes nos protestos da Primavera Árabe.

  • Comissão Europeia quer proibir o tabaco na praia

    País

    A Comissão Europeia quer proibir o tabaco em todos os espaços públicos, incluindo praias, parques infantis e equipamentos desportivos. A proposta foi apresentada pelo comissário da Saúde e Segurança Alimentar que, além de querer reduzir a dependência do tabaco, também sugere que todos os estados membros apliquem uma idade mínima para a venda de tabaco.

  • "Nós aceitamos sempre os resultados das eleições"
    1:07

    País

    Durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa, o líder dos sociais-democratas garantiu que o partido tem fair-play mas disse que está nas eleições autárquicas para ganhar. Pedro Passos Coelho acrescentou ainda que o PSD aceita sempre os resultados das eleições.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27
  • Data e local da canonização serão anunciados a 20 de abril
    2:23

    País

    O Papa aprovou esta quinta-feira o decreto que valida o milagre atribuído a Francisco e Jacinta. A data e local da cerimónia da canonização dos pastorinhos serão anunciados a 20 de abril, na reunião de cardeais no Vaticano. O Bispo de Leiria/Fátima acredita que a cerimónia possa ser a 13 de maio, durante a visita do Papa a Fátima.