sicnot

Perfil

Mundo

Oscar Pistorius transportado para o hospital com ferimentos nos pulsos

© POOL New / Reuters

O atleta sul-africano Oscar Pistorius, que cumpre uma pena de prisão de seis anos pelo homicídio da namorada, foi conduzido ao hospital com ferimentos nos pulsos, noticiou hoje a imprensa local.

"Tinha graves cortes nos pulsos e os médicos fizeram curativos nas feridas", disse ao jornal City Press um dos dois guardas que asseguram a segurança do hospital Pretória, adiantando ter encontrado facas na cela do atleta.

Durante a audiência do tribunal, na qual a sentença foi dada, o advogado de Oscar Pistorius argumentou que o atleta sofre de depressão grave e pediu ao juiz que não o enviasse para a prisão e permitisse o cumprimento da pena em prisão domiciliária.

Segundo o porta-voz das autoridades prisionais, Singabakho Nxumalo, Oscar Pistorius, de 29 anos, o antigo corredor paraolímpico foi escoltado de volta para a prisão depois de terem sido tratados os ferimentos, e seu o pai do atleta, Henke, confirmou o seu regresso à prisão.

Guardas consultados pelo jornal sul-africano afirmaram que Pistorius tem uma atitude de raiva na prisão, mantém grandes quantidades de droga não autorizada na cela e recebe tratamento preferencial dos funcionários.

Pistorius matou a namorada na manhã de 14 de fevereiro de 2013 em casa, na capital da África do Sul, disparando quatro vezes pela porta da casa de banho fechada.

O Sul-africano alegou que tinha confundido a namorada com um intruso e disparou em pânico, tendo tido uma primeira condenação de cinco anos de prisão que foi anulada pelo Supremo tribunal que considerou ter havido intenção clara de matar.

Pistorius nasceu com um problema genético que levou a uma amputação das pernas, abaixo dos joelhos, aos 11 meses de idade, e apesar disso alcançou o topo do atletismo nos Jogos de Londres de 2012, onde se tornou o primeiro atleta com as duas pernas amputadas competir nos Jogos Olímpicos com outros atletas não deficientes.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.